facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 18 de Julho de 2024
18 de Julho de 2024

16 de Outubro de 2017, 12h:00 - A | A

PODERES / "GRAMPOS" EM MT

Taques diz que investigação pelo STJ 'não é vitória ou derrota'

O STJ acatou pedido do governador Pedro Taques na última semana e retirou a competência do TJMT em relação ao esquema de escutas clandestinas em Mato Grosso.

CAROL SANFORD
DA REDAÇÃO



O governador Pedro Taques (PSDB) afirmou nesta segunda-feira (16) não considerar uma "vitória ou derrota" a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em investigar o esquema das interceptações telefônicas clandestinas em Mato Grosso, já que foi ele o autor do pedido para que as investigações dos “grampos” fossem conduzidas em instância superior, tirando a condução do processo do Tribunal de Justiça do Estado.

O pedido de Taques foi feito no final de setembro e deferido na última sexta-feira (13) pelo ministro do STJ, Mauro Campbell, que agora será o responsável pela investigação dos seis inquéritos que tramitavam no Tribunal de Justiça, sob a relatoria do desembargador Orlando Perri.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

"Não considero uma vitória ou derrota, mas o cumprimento da lei", declarou ele. No pedido, o governador argumentou que a apuração dos "grampos" analisa uma suposta participação sua no esquema e, por isso, o STJ seria a instância competente para conduzir a investigação.

A solicitação ocorreu após autorização de Perri para que a Polícia Civil deflagrasse a Operação Esdras, que no dia 27 de setembro, prendeu oito pessoas, entre os ex-secretários de Segurança Pública, Rogers Jarbas, de Justiça, Airton Siqueira, da Casa Civil, Paulo Taques, e da Casa Militar, Evandro Lesco.

"Não considero uma vitória ou derrota, mas o cumprimento da lei", declarou ele.

Uma semana antes, Perri já havia determinado o afastamento de Rogers do staff estadual, o que culminou em troca de farpas entre Executivo e Judiciário, uma vez que Taques classificou a decisão como “esdrúxula”, prometendo acionar o desembargador no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Questionado se a decisão do STJ “estancaria” uma crise com o Judiciário estadual, Taques argumentou nunca ter tido problemas com o Poder.

“Não tenho crise com o Poder Judiciário. Todo dia trato com o presidente do TJ, Rui Ramos, as questões institucionais. Sobre as decisões do desembargador, protocolei o pedido no STJ, que deferiu. Daqui para frente está judicializado”, pontuou o chefe do Executivo estadual.

Ainda de acordo com ele, a investigação passar a ser feita pelo STJ não pesa contra ele, uma vez que sustenta não ter tido qualquer participação.

“Eu não trato mais disso, porque está judicializado. A partir do momento que fiz o pedido ao STJ e foi deferido, cabe ao Judiciário resolver e eu respeito as instituições. Nada pesa, porque nada fiz”, disse o governador.

Comente esta notícia

Cpa 16/10/2017

Isso era que o governador queria.IMORAL AR. GOVERNADOR.DEVERIA DEIXAR NÃO MAO DE HOMEM HONESTO, ÍNTEGRO COMO DESEMBARGADOR DR. PERRI.

positivo
0
negativo
0

JONH DOE 16/10/2017

QUE VERGONHA!!!

positivo
0
negativo
0

2 comentários

1 de 1