facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

08 de Novembro de 2022, 19h:00 - A | A

PODERES / CONTRA VITÓRIA DE LULA

MPMT manda identificar empresas que fecharam as portas em apoio a manifestações

Promotor Marcelo Linhares Ferreira afirmou que a população foi penalizada com suspensão de serviços essenciais.

DO REPÓRTER MT



O promotor Marcelo Linhares Ferreira, da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Juína (735 km de Cuiabá), determinou a identificação de estabelecimentos comerciais que prestam serviços essenciais no município, que aderiram à paralisação nacional em protesto contra o resultado das eleições presidenciais.

O movimento foi realizado na segunda-feira (07), em diversas partes de Mato Grosso. Na cidade de Sinop (500 km de Cuiabá), por exemplo, ao menos 500 empresas aderiram ao Movimento Nacional Resistência Civil (MNRC).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Em Juína, o promotor explicou que tomou conhecimento de que diversos supermercados, farmácias, postos de gasolinas e outras empresas que prestam serviços essenciais, fecharam as portas em dia útil em apoio ao protesto.

Sob o argumento de que quer "defender o interesse da coletividade", o promotor determinou a realização de diligências para identificação dos estabelecimentos que, segundo ele, "lesaram o interesse da coletividade com os fechamentos".

Além disso, o representante do MP requisitou que a Prefeitura, no prazo de 10 dias, informe sobre os alvarás destas empresas e as condições de suas expedições.

Leia mais

Empresários de Sinop fecham as portas em apoio às manifestações contra eleição de Lula

Comente esta notícia

RODOLFO 09/11/2022

Agora deu o estado querendo mandar em empresa privada, não tem o que fazer! A onde estava o promotor, quando ocorreu a roubalheira no estado na época da copa 2014 e entre outras mais... vai procurar defender o interesse real da população. Falta de remédio e posto de saúde, a demora em atendimento de alta e baixa complexidade e a segurança ne se fala, o crime organizado tornando o cidadão de bem refém.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1