Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

05 de Agosto de 2022, 19h:00 - A | A

PODERES / COLIGAÇÃO COM PL

Mauro nega ter sofrido pressão de Bolsonaro para fechar palanque a Wellington

EUZIANY TEODORO
LEANDRO MAIA



O governador Mauro Mendes (União Brasil) negou que tenha havido qualquer pressão por parte do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), para que fechasse coligação com o PL, garantindo palanque exclusivo ao senador do partido, Wellington Fagundes.

“Não houve pressão. De maneira alguma. Falei com o presidente só na reunião em Brasília. Terminou a reunião, ele tinha outro compromisso. Não houve pressão”, garantiu.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

Segundo Mauro, as articulações apenas foram se afunilando no Estado, sem interferência do presidente.

“Até ontem tínhamos uma proposta de palanque aberto. Isso foi sempre dito. E ontem, em função das decisões tomadas pelo outro grupo, no final da noite, 11h da noite, terminamos uma reunião, fechamos acordo com Wellington, e Mauro Carvalho como primeiro suplente. É uma pessoa que conheço de uma longa vida, de uma longa trajetória, e junto com Wellington, não tenho dúvida nenhuma de que eles vão continuar contribuindo com o Estado”.

Ainda houve uma tentativa de emplacar Natasha Slhessarenko, candidata ao Senado pelo PSB, em uma das suplências de Wellington, mas isso também não prosperou.

Mauro diz estar satisfeito com a decisão que tomou em relação ao palanque para o Senado, mas que sua preocupação, agora, é conseguir votos para a própria reeleição ao Governo.

“Palanque aberto era uma alternativa só. Mas o meu voto não é senado, é governo de Mato Grosso. Claro que, agora, a partir do momento que eu faço essa coligação, todos os dias eu vou trabalhar pela minha candidatura, mas também pela candidatura do Wellington Fagundes e de Mauro Carvalho”, concluiu.

Neste momento, Mauro está nas convenções de seu partido, o União Brasil, para oficializar sua candidatura, e confirmar Otaviano Pivetta (Republicanos) como vice.

Comente esta notícia