facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

23 de Junho de 2024, 08h:00 - A | A

PODERES / CONDENAÇÃO A MULHERES

Mauro detona PL do aborto: "É um grande absurdo você querer comparar uma vítima a um criminoso"

Caso o projeto seja aprovado, o aborto realizado após 22 semanas de gestação, a mulher será punida com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos, inclusive estupro.

FERNANDA ESCOUTO
APARECIDO CARMO



O governador Mauro Mendes (União) afirmou, na quinta-feira (20), que o Projeto de Lei (PL) 1904/2024, que equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, inclusive nos casos de gravidez resultante de estupro, é um “grande absurdo”.

"É um equívoco, um grande absurdo você querer comparar uma vítima a um criminoso"

Atualmente a legislação prevê que a gestação pode ser interrompida em três situações: quando a gravidez é resultado de um estupro; quando coloca em risco a vida mãe; e quando a criança tem má formação cerebral.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

É um equívoco, um grande absurdo você querer comparar uma vítima a um criminoso e dar à vítima uma pena maior que o criminoso”, disse Mauro à imprensa.

Caso o projeto seja aprovado, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro.

O Brasil é cheio de hipocrisia, cheio dessas incongruências, cheio de leis não inteligentes e muitas vezes frouxas. Na tentativa de fazer algo, está se fazendo grandes confusões”, ressaltou.

Na última semana, a Câmara dos Deputados aprovou, em uma sessão que durou 23 segundos, o pedido de tramitação em regime de urgência, isto é, sem passar por discussões em audiências públicas e em comissões.

Apesar da forma rápida com que o PL está tramitando na Câmara, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, já sinalizou que na Casa será diferente.

Para o presidente, o debate deve ser realizado “com cautela”, passando por todas comissões permanentes do Senado.

Comente esta notícia