facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

11 de Junho de 2024, 12h:17 - A | A

PODERES / ESCÂNDALO DO ARROZ

Lula anula leilão e exonera Neri Geller após denúncias de fraude com assessor

O leilão da última sexta-feira (6) pretendia comprar 263 mil toneladas de arroz no valor de R$ 1,3 bilhão.

RENAN MARCEL
APARECIDO CARMO
DO REPÓRTER MT



O presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto, anunciou nesta terça-feira (11) a anulação do leilão para compra de arroz importado. A medida ocorre após a suspeita de irregularidades praticadas por empresas criadas pelo ex-assessor do Secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura (Mapa), Neri Geller (PP), que pediu demissão nesta manhã. 

Segundo Pretto, um novo procedimento será realizado. O leilão da última sexta-feira (6) pretendia comprar 263 mil toneladas de arroz no valor de R$ 1,3 bilhão. O governo federal resolveu importar arroz após a crise climática no Rio Grande do Sul, estado que é responsável por 70% da produção nacional do grão, ma que já havia colhido 80% do cereal antes das inundações.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

As empresas de Robson Luiz de Almeida França, que foi assessor de Geller na Câmara dos Deputados entre 2019 e 2020, intermediaram a venda de 44% do arroz importado. França é sócio do filho de Geller, Marcelo Piccini Geller, na empresa GF Business, criada em agosto de 2023 e voltada para o agronegócio.

Leia mais: Ex-assessor de Neri Geller criou empresas e intermediou leilão de arroz da Conab

Bolsa de Mercadorias de Mato Grosso (BMT) e Foco Corretora de Grãos, são empresas criadas em maio de 2023 por Robson Luiz. Elas faturam comissões de corretagem em cima dos valores negociados no leilão, além de representarem três das quatro empresas que arremataram o certame.

Conforme o ministro Carlos Fávaro, Geller apresentou o pedido de demissão no fim da manhã desta terça-feira (11), que foi aceito. Nos bastidores já se especulavam que ele deixaria o posto no Ministério da Agricultura para evitar que o episódio fosse usado políticamente pela oposição.

“Hoje pela manhã, o secretário Neri Geller me comunicou, fez ponderação, quando o filho dele estabeleceu sociedade com esta corretora do Mato Grosso, ele não era secretário de Política Agrícola. Não há fato que desabone ou que gere qualquer tipo de suspeita, mas que, de fato, gerou … e por isso colocou cargo à disposição”, disse o ministro.

A situação de Thiago dos Santos, ex-assessor de Neri e responsável pelos leilões da Conab, será avaliada posteriormente. Ele trabalhou no gabinete de Geller, quando era deputado federal, junto com Robson Luiz de Almeida França.

O governo decidiu importar arroz do exterior para evitar especulações de preço depois das enchentes no Rio Grande do Sul, estado que concentra a maior parte da produção nacional. Os produtores não viram a iniciativa com bons olhos, já que eles garantiam que tinham condições de abastecer o mercado nacional.

Comente esta notícia

Alfredo Carvalho 11/06/2024

Então né, porém vai abrir outro leilão. Tapa sol com peneira esse molusco.

positivo
1
negativo
0

Eduardo S. 11/06/2024

Tudo normal, apenas o filho do geller ganhou 9 lotes ,, sei,,isso está cheirando a carniça xô mano e das podres, mas como nesse desgoverno condenado em 3 instancias bandidio nao vai parar na cadeia m tudo certo.,

positivo
1
negativo
0

Xô Mano Rico 11/06/2024

Pois é, falhou dessa vez porém enfim !!!

positivo
0
negativo
0

3 comentários

1 de 1