facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

16 de Julho de 2022, 07h:33 - A | A

PODERES / ALIADO A LULA

Fávaro diz que foi colocado de ‘escanteio’ e admite que pode concorrer ao governo

O senador será um dos coordenadores da campanha de Lula no Brasil e pode concorrer a pedido dele

EUZIANY TEODORO
DO REPÓRTER MT



O senador Carlos Fávaro (PSD) confirmou o desejo do pré-candidato à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), para que concorra ele ao Governo de Mato Grosso contra o governador Mauro Mendes (União Brasil). Sem admitir um convite oficial, Fávaro confirma que pode vir a disputar o cargo. “Se for da vontade de Deus e o tempo de Deus, eu posso ser candidato a governador de MT”, disse, em entrevista ao Jornal do Meio Dia, da TV Vila Real.

Fávaro afirmou que ele e o deputado federal Neri Geller (PP), pré-candidato ao Senado, contavam com o apoio de Mauro, foram estimulados por ele, e depois colocados de “escanteio”, por isso procuraram outro projeto.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Ele sempre nos apoiou e incentivou. Por isso Neri abriu mão de construir uma chapa de deputado federal para sua reeleição, abrindo suas bases ao arco de aliança que está ali apoiando, como MDB, PSD, o próprio Progressistas. E com a aquiescência, com o apoio do governador. Em determinado momento, as coisas políticas mudaram e ele ‘escanteou’ a gente. Colocou a gente pra fora do seu grupo político, caminhando para um outro rumo, que eu respeito. Faz parte da democracia”, disse.

Fávaro e Neri fecharam parceria com a federação entre PT, PV e PCdoB. Fávaro, inclusive, será um dos coordenadores da campanha de Lula no Brasil, responsável por estreitar o elo entre o petista e o setor do agronegócio, fortemente bolsonarista em Mato Grosso.

Ele diz que seu objetivo é continuar como senador, mas nada o impede de candidatar ao governo, já que está “garantido” no Congresso até 2026, quando termina seu mandato. Segundo ele, ser governador, inclusive, “é o sonho de todo político”.

“Eu gostaria, de forma particular e pessoal, de continuar cumprindo meu mandato como senador. Agora, não dá pra negar que o desafio de poder ser governador de Mato Grosso, todo político que se engaje e ama esse Estado, tem que ter essa vontade”, concluiu.

Comente esta notícia