facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Julho de 2024
22 de Julho de 2024

02 de Outubro de 2017, 07h:00 - A | A

PODERES / PEC DO TETO

Botelho quer derrubar emenda de Maluf que prevê maior repasse a poderes

O deputado Guilherme Maluf (PSDB) sugeriu que o poderes continue recebendo parte do excesso de arrecadação mesmo com aprovação da PEC que limita gastos públicos.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), disse que caso não passem um "pente-fino” nas emendas sugeridas ao Projeto de Emenda a Constituição (PEC), que limita o teto dos gastos públicos pelos próximos dois anos, não é necessário nem colocar a mensagem em votação.

Botelho é contra, por exemplo, a uma emenda do deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) - presidente da Comissão Especial que vai estudar a PEC – sugerindo que os poderes tenham direito sobre parte do excesso de arrecadação como é garantido em lei. No entanto, na proposta do Governo do Estado esse tipo de repasse extra fica proibido.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“O Executivo precisa controlar gastos para que haja mais capacidade de investimento. Então, se continuar repassando o excesso de arrecadação do aumento dos percentuais não precisa ter isso [a PEC]”, argumentou o presidente da Assembleia.

“O Executivo precisa controlar gastos para que haja mais capacidade de investimento. Então, se continuar repassando o excesso de arrecadação do aumento dos percentuais não precisa ter isso [a PEC]”, argumentou.

Eduardo Botelho afirmou ainda que se depender dele, a proposta de Maluf será retirada do projeto, porém, é preciso que os demais deputados entrem em um consenso para aprovar o texto sem perder a essência.

“Eu acredito que isso será amplamente discutido, mas não posso precisar porque só tenho um voto. Mas, acredito que sim [será derrubada]”, explicou.

O parlamentar também destacou que todos precisam entender que, com a PEC, Mato Grosso deixará de pagar uma dívida milionária com o Governo Federal, o que vai trazer alívio aos cofres públicos.  

“O Estado não pode abrir mão de fazer essa PEC e nem deixar R$ 1,3 bilhão da União com a renegociação da dívida. Temos que ter essa consciência”, destacou.

Até o momento, segundo o presidente, a PEC do Teto já recebeu pelo menos 30 emendas enviadas por parlamentares e de instituições como Ministério Público Estadual e os Tribunais de Contas e Justiça. 

Comente esta notícia