Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

11 de Novembro de 2014, 09h:03 - A | A

NACIONAL / VILLA MIX

Jovem morre após ser agredido em porta de boate por causa de cigarros

Vítima de 24 anos levou um soco no rosto e bateu a cabeça ao cair no chão.

G1



“Indignação, revolta e dor.” A declaração reflete o sentimento de Carlos Victor Marcolino, amigo do dentista João Paulo de Moraes Camilo, de 24 anos, morto após ser agredido por um desconhecido na porta de uma casa noturna no início de novembro em Ribeirão Preto (SP).

Camilo morreu no sábado (8), vítima de traumatismo craniano. Segundo testemunhas, o rapaz recebeu um forte soco no rosto após ter dito a outro jovem que não tinha cigarros. Irritado, o suspeito armou o golpe e atingiu o dentista, que caiu no chão já inconsciente e bateu a cabeça. Ele ficou internado por uma semana, mas não resistiu.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o caso. Ninguém foi preso.

O caso aconteceu na porta de uma casa noturna na Avenida Nove de Julho, no bairro Jardim São Luiz. Segundo a amiga da vítima, a dentista Ana Carolina Cabral Roque, o suposto agressor chegou de táxi ao local acompanhado da namorada e estava visivelmente embriagado. Ana Carolina conta que o rapaz ficou muito irritado após ser informado de que não poderia entrar na boate porque estava de bermuda. “Ele ficou muito irritado, xingou o lugar, xingou o manobrista. Começou a xingar todo mundo. Mesmo sabendo que ele não poderia entrar na casa, ele ficou ali. A todo momento ele ficava pedindo cigarro, ele queria fumar. E ficou irritado porque ninguém da nossa turma que estava ali tinha um cigarro”, diz a jovem.
 

Momentos depois, segundo Ana Carolina, Camilo deixou a casa noturna e se juntou aos amigos que esperavam por um táxi. Novamente, o suspeito voltou a pedir cigarros, e como ninguém da turma fumava, ele teria ficado muito nervoso. “Esse moço xingou todo mundo da nossa turma, que era um absurdo ninguém ter um cigarro. Aí ele foi em uma casa de lanches, em frente à casa noturna. No que ele voltou, ele veio pegando impulso de uns 4 metros e deu o soco no João Paulo. O soco foi forte. Ele poderia ter acertado qualquer um que estava ali. Ele descontou a raiva no primeiro que viu pela frente. O soco acertou o queixo do João Paulo, que já caiu sem consciência, desmaiado”, afirma.

Os amigos de Camilo chamaram a polícia e uma ambulância prestou socorro à vítima. Segundo Ana Carolina, o suspeito deixou o local após ter atingido o dentista, mas voltou momentos depois e negou as acusações. “O agressor negou tudo, sendo que havia várias testemunhas ali que sabiam que era ele. Ele não prestou socorro, nada”, diz.

Camilo passou por uma cirurgia, ficou internado em coma induzido por uma semana, mas não resistiu.

Ana Carolina conta que os amigos conseguiram identificar o suspeito pelas redes sociais. Ela espera que a polícia consiga prendê-lo. “Uma pessoa que dá um soco em uma pessoa desconhecida a troco de nada, ela pode ser capaz de qualquer coisa. Nós, amigos, queremos que a justiça seja feita.”

 

Para Marcolino, amigo da vítima há seis anos, o sentimento é de revolta. “Era uma pessoa bacana, de uma humildade incrível. Nunca arrumou confusão com ninguém. A gente viveu muito tempo em balada, ele era um cara muito tranquilo, muito da paz. Estamos muito tristes, indignados com o que aconteceu.”


Segundo amigos, dentista foi agredido na porta de casa noturna em Ribeirão Preto (Foto: Márcio Meireles/EPTV)Segundo amigos, dentista foi agredido na porta de casa noturna em Ribeirão (Foto: Márcio Meireles/EPTV)

Comente esta notícia