Cuiabá, 02 de Dezembro de 2022
logo

22 de Novembro de 2016, 07h:50 - A | A

JUDICIÁRIO / SODOMA

STJ pode anular operação e soltar Silval e ex-secretários no dia 1°

Os ministros da Sexta Turma do STJ analisam no dia 1º de dezembro se soltam ex-governador e ex-secretários ao anular operação Sodoma, desarticulada a partir de investigações sobre esquema de propina e fraudes em incentivos fiscais.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



Os ministros da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vão analisar, no próximo dia 1º de dezembro, um pedido de habeas corpus proposto pela defesa do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) para anular a “Operação Sodoma” por meio da suspeição da juíza Selma Rosane Santos Arruda, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá. O documento foi incluso na pauta do próximo mês por determinação do ministro Antônio Saldanha Palheiro.

O pedido de suspeição da magistrada é idêntico ao que anulou o processo da “Arqueiro – Ouro de Tolo”, que investigava a ex-primeira-dama Roseli Barbosa pelo desvio de R$ 8 milhões da Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Setas), por meio de empresas de fachada. Segundo os advogados da esposa de Silval, a juíza violou dispositivos da lei de delação premiada ao homologar a colaboração do empresário Paulo Cesar Lemes, perdendo a capacidade de processar e julgar a ação com a devida imparcialidade.  

Foi esta decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) que abriu precedente para afetar outras operações como a Ventríloquo e Sodoma. A defesa de Silval alega que Selma Arruda utilizou-se do mesmo mecanismo nas demais delações. Em entrevista ao , divulgada no último domingo (20), a juíza disse não concordar com a decisão que determinou seu afastamento da Arqueiro. Ela afirma que todos os procedimentos foram legítimos e dentro da lei de delação premiada.

Juíza Selma só se aposenta depois de sentenciar corruptos de MT

Porém, os advogados afirmam que a magistrada interrogou os delatores da Sodoma e se baseou nesses depoimentos para pedir a prisão preventiva do ex-governador e de seus ex-secretários Pedro Nadaf e Marcel de Cursi. A banca de defesa garante ainda que Selma Arruda deveria tratar apenas da voluntariedade dos colaboradores.

Caso a decisão seja favorável ao peemedebista, todos que foram presos nas fases I, II, III e IIIl da Sodoma serão soltos, já que toda operação será anulada. Entram nesta lista o ex-procurador de Mato Grosso, Francisco Gomes de Andrade Lima Filho; o ex-secretário de Fazenda, Marcel de Cursi e o ex-chefe de gabinete, Sílvio César Correa Araújo, além do próprio Silval Barbosa.

 

 

Comente esta notícia

Neurótico 23/11/2016

Podem até serem soltos, mas acho que não vão conseguir circular por Cuiabá e VG tranquilamente ..... a população não esqueceu tudo o que eles nos fizeram. Os tempos são outros. Revolta é o sentimento geral.

1 comentários

1 de 1