Cuiabá, 09 de Dezembro de 2022
logo

31 de Dezembro de 2016, 16h:35 - A | A

GERAL / VEJA VÍDEO

Saiba como controlar as contas e começar a poupar dinheiro em 2017

O economista e educador financeiro Edisantos Amorim dá dicas de como cortar gastos e poupar

CELLY SILVA
DA REDAÇÃO



Com a constatação de que o brasileiro "tem a cultura de consumir de forma desorganizada", em entrevista ao , o educador financeiro, Edsantos Amorim detalha uma série de dicas para se livrar das armadilhas do imediatismo, conseguir poupar dinheiro e se livrar das dívidas em 2017.

Na semana passada, o publicou a primeira matéria sobre como se livrar das dívidas e se preparar desde o final do ano para os gastos do novo ano que começa. 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

"Você faz happy hour todo dia e começa a cortar, você tem uma prestação de um aluguel que está pesando muito e você aproveita o momento para fazer uma adequação, saindo de um aluguel mais alto para um menor. Quando você controla gastos, você consegue fazer um monte de coisa", exemplifica o economista.

Educador financeira ensina a organizar gastos e sair das dívidas 

Nesta segunda parte da reportagem, Edisantos ensina como alcançar a meta de conseguir guardar dinheiro e ter uma vida financeira saudável.

Controlando os gastos

Segundo o economista o primeiro passo é manter o controle contínuo dos gastos para saber quando e onde cortar nos momentos de crise. Para isso, é necessário registrar as movimentações financeiras, seja por meio de planilhas ou mesmo em um caderno de anotações. 

“Quando você coloca os seus gastos em uma planilha ou em um caderno de anotação, você vai entender o seguinte: se o orçamento é compatível com a despesa ou não. Se não for, você pelo menos sabe quanto gasta e começa a cortar gastos ali”, afirma.

Ele exemplifica dizendo que a pessoa deve analisar os hábitos de consumo.

“De repente, você vai ao cinema toda semana e passa a reduzir, você faz happy hour todo dia e começa a cortar, você tem uma prestação de um aluguel que está pesando muito e você aproveita o momento para fazer uma adequação, saindo de um aluguel mais alto para um menor. Quando você controla gastos, você consegue fazer um monte de coisa, você consegue cortar e fazer adequação na sua renda. Sempre cortar as despesas não obrigatórias primeiro e readequar as fixas, do fundo de reserva nunca”, alerta.

 Começando a poupar

"Tem que começar a poupar nem que seja com R$ 10. Tem que ter hábitos. Quando você passa a ter hábitos, você muda conceitos porque esses maus hábitos nós vamos passar para os nossos filhos e para o meio em que a gente convive".

Para quem quer começar a criar o hábito de guardar dinheiro, mas não entende muito do sistema financeiro, Edisandos diz que a opção mais fácil é guardar dinheiro na poupança. “É claro que a caderneta de poupança não é o melhor investimento, mas se a pessoa não tem a cultura de poupar, tem que iniciar pela poupança, tem que guardar dinheiro”, afirma.

O educador financeira conta que um problema que impede as pessoas de ter uma vida financeira saudável é a vergonha de começar a poupar com pouco.

“Tem que quebrar esse mito. Tem que começar a poupar nem que seja com R$ 10. Tem que ter hábitos. Quando você passa a ter hábitos, você muda conceitos porque esses maus hábitos nós vamos passar para os nossos filhos e para o meio em que a gente convive. Muita coisa que precisa mudar depende do seu querer”, assevera.

Amorim também enfatiza o ato de repassar para os filhos a importância de economizar. Uma dica é, na hora das compras, determinar um valor fixo para a criança escolher o que ela quiser no supermercado. O que passar do valor determinado, a criança deve escolher algo para deixar de fora. “Isso é disciplina”, diz Edisantos.

E quem não tem dívidas?

Para Edisantos, quem não tem dívidas está em outro nível de qualidade de vida, no qual já é possível fazer planos voltados para investimentos pessoais e realização de sonhos.

Nesse caso, o 13º pode ser totalmente destinado a isso.

“A sensação de quem guarda dinheiro é a melhor possível porque você já pode pensar em fazer uma viagem, um passeio, algo pessoal e diferente, porque você não tem dívida”, avalia. 

Confira a entrevista: 

Comente esta notícia

Gilstinho 31/12/2016

Muito bom senhor palestrante, porem, minha reclamação é que o senhor na CBN faz chamamento pro povo assistir palestra sobre crise e endividamento financeiro, e cobra 70 paus pra entrar, e o local só chega de carro sem onibus. Falta coerência. Se, o cidadão ta endividado até o pescoço, onde ele vai arrumar 70 reais pra assistir palestra sobre o assunto!!!!

1 comentários

1 de 1