Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

12 de Dezembro de 2017, 09h:36 - A | A

GERAL / PERFUME EM ÁGUA

Professora é internada e acusa alunos de envenenamento

Célia de Oliveira Schonherr, ou “Celinha”, 46 anos, acredita que foi envenenada por alunos, que teriam colocado perfume em sua água, dentro da escola.

RAUL BRADOCK
DA REDAÇÂO



A professora Célia de Oliveira Schonherr, ou “Celinha”, 46 anos, está internada no hospital de Juscimeira (157 km ao Sul) após ter sido supostamente envenenada por alunos da Escola Estadual Santa Elvira, unidade do campo, na comunidade de Santa Elina, distrito de Rondonópolis (212 Km ao Sul de Cuiabá).

Celinha leciona no local há 16 anos. Segundo relatos da vítima, na última terça-feira (5) alguns alunos estavam borrifando um liquido, aparentemente perfume, nos fundos da sala de aula. A turma era do 3° ano B.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Ela pediu para que as crianças parassem, porém, não foi atendida. Ela então decidiu tirar todos da sala, pois o cheiro estava muito forte, alegando também ser alérgica. A professora foi em outra sala entregar um prêmio e retornou para pegar a água, antes de começar a lecionar no 6° ano da unidade de ensino.

Celinha afirma que bebeu a água antes de começar a aula e, imediatamente, sentiu a garganta arder, além de um forte cheiro de álcool. Ela suspeita que algum aluno colocou perfume na garrafinha dela, mesmo após avisar que é extremamente alérgica.

“Ela está internada em Juscimeira. Tudo que comia, vomitava. Eu estou com o coração triste em relação aos alunos. São crianças que conhecem a minha esposa desde bebês. A gente fica com o coração apertado, pois são crianças”, diz Adriano Schoenherr, marido da vítima, ao .

A professora segue internada nesta terça-feira (12) e, uma semana após o envenenamento, ainda sofre com sequelas.

Outro lado

A Secretaria de Estado de Educação Esporte e Lazer (Seduc) disse que acompanha o caso, porém, afirma que as investigações ficam a cargo da Polícia Civil, uma vez que houve o registro de um boletim de ocorrência. A Seduc também informou que a assessoria pedagógica do município está dando assistência à professora.

Comente esta notícia