facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

10 de Dezembro de 2022, 16h:33 - A | A

GERAL / BONS SONHOS

Noite mal dormida causa fraqueza, alteração hormonal e envelhecimento precoce

A médica Eliane Pires explica como ocorre o desequilíbrio hormonal que pode gerar série de complicações.

DO REPÓRTERMT



Especialista em Medicina integrativa, a médica Eliane Pires alerta que não dar a devida importância ao sono tem causado uma série de complicações a quem há tempos não dorme bem, e nem desconfia que o problema pode ser esse.   Ela aponta que as complicações podem ser desde lapsos de memória, fraqueza, ganho de gordura, até alterações na pressão arterial e o envelhecimento precoce. 

“A falta do sono atinge diretamente no envelhecimento precoce porque quando você não dorme, ou não dorme bem, tem o sono fragmentado, você diminui a produção de melatonina e do hormônio do crescimento, que é o GH. O hormônio do crescimento é produzido quando você tem o sono mais profundo e se você não tem esse sono mais profundo ou ele é todo fragmentado, o que acontece, você não tem os hormônios rejuvenescedores ou reparadores”, explica. 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Em síntese, a falta do dormir bem gera alteração hormonal. 

A falha na produção da melatonina e do hormônio do crescimento ocasiona o surgimento mais facilitado de rugas, porque a pessoa começa a perder o viço da pele. 

Ainda no quesito de envelhecimento precoce, Eliane Pires destaca que a falta de força para pegar peso, fazer um movimento comum, como levantar da cadeira, ou até mesmo andar, tem sido complicações cada vez mais comuns até mesmo entre pessoas que não são consideradas idosas.  

Esse tipo de complicação está ligado à diminuição de GH, o hormônio de crescimento, que é reposto durante o sono. Esse hormônio ajuda a manter a massa magra.

A perda da massa magra causa a sarcopenia, que é a alteração da musculatura esquelética, caracterizada pela redução da força e da massa muscular, secundária ao envelhecimento.

 “A prevenção da sarcopenia tem que começar antes dos 40 anos, só que as pessoas começam a acordar para essa perda depois dos 50 anos porque fica muito evidente, muito acelerada a perda da força. A pessoa percebe, principalmente homens, que faziam um certo trabalho de força, com certa facilidade e hoje eles vão realizar o mesmo serviço e não conseguem. Eles chegam relatando isso no consultório e quando a gente vai verificar já tem a perda de massa magra,  e o pior, quando há perda de massa magra a substituição é por massa de gordura”, pontua. 

A sarcopenia já é considerada pela OMS uma condição de saúde pública.  Para tratar é preciso consultar um especialista e fazer exames necessários que vão auxiliar na regulação hormonal.

Quanto à alteração da pressão arterial ela ressalta que ocorre que sem o sono profundo o organismo entende que está em estado alerta. 

“Então aumenta produção de adrenalina e se está em estado de alerta precisa manter a pressão arterial mais elevada, porque a qualquer momento pode correr risco de um perigo. Então não relaxa e essa pressão pode ter um acréscimo noturno. Para descobrir isso somente fazendo o mapa (exame cardiológico). Muita gente tem a alteração da pressão no período noturno e nem sabe que é hipertenso”, destaca. 

Quem não dorme bem também sofre distúrbios cognitivos, como irritabilidade, dificuldade de memória e dificuldade de concentração.  Eliane Pires indica que o tempo de sono ideal para ser reparador ao organismo muda conforme a idade.

Crianças podem precisar de 14 horas a 16 horas, já adolescentes teriam a necessidade de 9 horas de sono e adultos necessitam de 7 horas a 8 horas de bom sono. 

Para garantir o sono reparador é preciso ter atenção para que o ambiente seja adequado. Escuridão total e temperatura em 22 graus é o ideal para que o cérebro possa realizar a ‘faxina’ necessária.

 Quem tem dificuldade de pegar no sono também deve evitar uso do celular tarde da noite e suspender a ingestão de bebidas estimulantes depois das 16 horas.

Comente esta notícia