Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

20 de Dezembro de 2017, 13h:29 - A | A

GERAL / EPIDEMIA

Moradores de Cuiabá e Várzea Grande sofrem surto de conjuntivite

Somente em Várzea Grande foram registrados cerca de 700 casos em dezembro, segundo o levantamento parcial feito pela Vigilância Epidemiológica do município.

CAMILA PAULINO
DA REDAÇÃO



A população da Baixada Cuiabana deve ficar em alerta por causa do surto de conjuntivite, que é comum neste período do ano. A informação é das secretarias de Saúde de Cuiabá e de Várzea Grande, que informam que o número de casos aumentou drasticamente nestes últimos dias.

Somente em Várzea Grande foram registrados cerca de 700 casos em dezembro, segundo o levantamento parcial feito pela Vigilância Epidemiológica do município.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

De acordo com o órgão, de janeiro a novembro não foram registrados casos significativos de conjuntivite em Várzea Grande. Em dezembro, porém, já são mais de 700 casos.

A Vigilância Sanitária acredita que o número seja ainda maior, já que muitas pessoas não procuram atendimento médico.

Em Cuiabá, foram registrados cerca de 400 casos neste ano e somente em dezembro foram cerca de 50 casos, conforme a Vigilância de Doenças e Agravos da Secretaria Municipal de Saúde.

A Vigilância aponta que em dezembro a quantidade de pacientes aumentou bruscamente e já considera estado de alerta, pois o contágio é rápido e pode aumentar ainda mais o número de infectados.

A conjuntivite é uma inflamação da conjuntiva, que é uma mucosa que protege o olho, por isso reage tão forte quando ocorre a infecção como forma de impedir a passagem do agente para outras partes do olho. Dissemina-se rapidamente em ambientes fechados como escolas, creches, escritórios e fábricas. O tempo da conjuntivite varia em média de 7 a 10 dias.

Cuidados e prevenção

A prevenção é feita lavando as mãos e o rosto com frequência. Também é preciso trocar toalhas e fronhas dos travesseiros ou usar toalhas de papel, não compartilhar toalhas de rosto, lavar as mãos antes e depois do uso dos colírios e pomadas e, ao usá-los, não encostar o bico do frasco nos olhos, não tocar nos olhos com as mãos sujas, lavar os olhos com água gelada em caso de irritação. 

A pessoa não deve coçar os olhos, nem compartilhar objetos (canetas, produtos de beleza, lenços, etc) de pessoa portadora de conjuntivite, nem utilizar lentes de contato e evitar ficar em ambientes onde há bebês. Deve evitar se expor ao sol e exposição à luz, pois isso pode fazer com que o olho contaminado venha a doer mais, por causa da sensibilidade no globo ocular.

Comente esta notícia