Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

21 de Dezembro de 2017, 15h:00 - A | A

GERAL / COMÉRCIO EM MT

Governo mantém alíquota de eletrodomésticos em 13% para 2018

O governador Pedro Taques vai assinar decreto mantendo a alíquota de 13% para venda de eletrodomésticos no Estado, permitindo que o setor seja competitivo.

DA REDAÇÃO



O Governo de Mato Grosso irá manter a alíquota de eletrodomésticos em 13% no próximo ano. A informação foi confirmada pelo governador Pedro Taques (PSDB), na manhã desta quinta-feira (21), durante reunião com empresários do setor de eletrodomésticos, presidente da  Federação das Associações Comerciais e Empresariais (Facmat), Jonas Alves, secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Avalone e o deputado estadual, Dilmar Dal Bosco (DEM).

O decreto que manterá a porcentagem será assinado ainda hoje. O empresário do ramo, Osvaldo Martinello, disse que o grupo reivindicou a permanência da alíquota de 2017 para que o setor continue competitivo em relação aos outros estados e concorrentes que atuam em Mato Grosso.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“O que buscamos é isonomia de forma que a competição continue leal. O setor estando bem, automaticamente ele cresce, gera empregos e movimenta a econômico. Todos ganham com isto”, disse.

Já o presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais (Facmat), Jonas Alves, afirma que a medida vai trazer segurança jurídica para que o setor consiga operar em 2018.

“O decreto que permite a alíquota de 13% vai até o dia 31 de dezembro. Então, o que foi feito pelo Governo agora é que se mantenha esta alíquota, o que vai permitir com que o setor seja competitivo. Isto é vital para o futuro dos negócios”.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Carlos Avalone destacou que a permanência da porcentagem da base de cálculo permite a isonomia conquistada entre as empresas no Estado.

“As empresas tiveram uma arrecadação que chegou a dobrar. Assim como o crescimento na geração de empregos e instalação de novas lojas. Portanto, uma medida que criou isonomia entre os setores e que o Governo vai ampliar para mais um ano”, finalizou.

 

 

Comente esta notícia