facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

03 de Novembro de 2022, 15h:00 - A | A

GERAL / FOME E FRIO

Bloqueios nas rodovias deixam passageiros 4 dias "acampados" na rodoviária em Cuiabá

Passageiros relatam que passaram fome e frio nesse período de espera

THAÍS BEMFICA
DO REPÓRTER MT



 Acampados no terminal rodoviário Engenheiro Cássio Veiga de Sá, há 4 dias, por falta de ônibus, devido aos bloqueios nas rodovias, muitos passageiros relataram estarem indignados e cansados de eperar. Nessa realidade mulheres, crianças e idosos enfrentaram o frio e a fome à espera do embarque.

Em conversa com o Repórter MTa passageira Sulimara Fabris, que esperava desde segunda-feira (31) pelo no terminal rodoviário  pelo ônibus com destino a Arupuanã, vive uma incerteza a cada hora. “Depois de tudo, disseram que íamos sair às 3 horas da manhã de quinta-feira, ficamos acordados esperando até 3:30 e nada. Ninguém da empresa veio nem dar satisfação. É um absurdo! Eu consegui agora, porque desci lá na agência e remarquei, de novo, para hoje às 14 horas. Estamos torcendo para conseguir embarcar", diz a passageira.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Marcelo Campos, que viaja a trabalho para Campo Novo do Parecis, também é um dos passageiros afetados pelos bloqueios. "Estamos há dias esperando 'presos' em Cuiabá. Eu tenho compromisso, o patrão está esperando. Eu tenho que ficar ligando toda hora para ele para avisar que ainda estou aqui, ficar dando satisfação", reclama. 

"Aqui não tem banheiro para tomar banho, tive que ir em um hotel e pagar para usar o banheiro e tomar banho, mas é complicado. Tem gente que veio com o dinheiro da passagem contado, como é o nosso caso. Comida em rodoviária, é cara", pontua Sulimara.

Além de não saberem quando conseguirão viajar, muito passageiros não têm onde dormir, nem o que comer, e acabam dormindo no chão ou em bancos espalhados pelo terminal.

 "E nem dá pra sair, a gente é de fora, não conhece nada. E tem medo também, de sair e o ônibus chegar" comenta ela. 

Essa também foi a realidade de Joelia Vilas Boas, da sobrinha Roberta e das duas crianças, entre 3 e 5 anos anos, que as acompanhavam. Com dinheiro contado no bolso, e sem condições de permanecerem no terminal rodoviário por tanto tempo, a família  recebeu ajuda para conseguir se alimentar e se proteger do frio.

 “Passei por uma cirurgia, e acabei ficando uns dias com minha tia. Agora ela está indo morar comigo, mas estamos presos aqui. Estou sentindo dor ainda, e fez frio, então, ficamos com as crianças aqui no frio esperando", conta Roberta. 

A família, que passou as últimas 3 noites acampada na rodoviária acredita que finalmente conseguirá ir para casa nesta quinta-feira (03). "Acho que conseguiremos sim, já saiu um ônibus hoje às 9 horas, ele foi para Tangará da Serra. Então, se Deus quiser, a gente consegue ir para casa hoje”.

Segundo a assessoria da rodoviária, 55% remarcaram, 30% conseguiram seguir viagem, e 15% cancelaram em decorrência dos bloqueios.

“Esse é um balanço que foi feito logo após ter realmente confirmado todo esse problema. Pessoas que compraram no dia 30, com a expectativa de viajar no dia 31 ou dia 01, que não remarcaram, nem conseguiram viajar, foram até as agências e cancelaram, o dinheiro foi devolvido", explica Selmo Oliveira. 

A previsão é que, com a liberação das rodovias, nesta quinta-feira (03), o transporte volte a seguir normalmente, e os passagueiros que ainda esperam pelo embraque, consigam seguir viagem. 

Comente esta notícia