Cuiabá, 02 de Julho de 2022
logo

Quinta-feira, 17 de Novembro de 2011, 07h:59 - A | A

MANIFESTO TRABALHISTA

Juízes federais de MT fazem paralisação no dia 30

A paralisação coincide com a semana nacional de conciliação

FERNANDA LEITE

Cerca de 70 juízes federais de Mato Grosso irão paralisar as atividades por 24h no dia 30 deste mês. Os magistrados reivindicam a garantia da integralidade das aposentadorias pela previdência pública, já que tramitam emendas que prevê aposentadoria de R$ 3 mil/mês aos juízes e recomposição das perdas salariais, cerca de 25% em 5 anos. Além de política exclusiva de segurança voltado para a proteção dos magistrados que constantemente são alvos de ameaças.

“Política de segurança para  aqueles colegas que sofrem ameaças, temos aqui em MT dois juízes que sofrem ameaças, e ficamos expostos a ameaças por julgar aqueles que não estão de acordo com a lei”, disse o presidente da Associação dos Magistrados do Trabalho de Mato Grosso (Amatra 23), juiz Ivan Tessaro.

No caso da aposentadoria, Tessaro alega que para o juiz exercer um bom trabalho livre de problemas de falta de caráter e honestidade, o Estado precisa dar garantias de bons salários e aposentadorias para que os magistrados não se sujeitem a corrupção. Ele disse que a presidente Dilma Rousseff (PT), em uma manobra, provavelmente obrigará os juízes a migrarem a sua atual previdência para uma privada. Que acabaria com os atuais salários pagos hoje em dia.

“Um juiz para exercer bem sua função em quanto ele estiver julgado, ele não pode se preocupar como estará sua vida no futuro. 11% do que o juiz ganha vai para previdência. Na privada são R$ 3 mil”, destacou.

O magistrado falou da falta de segurança que existe em hoje dia para os magistrados. Ele citou o exemplo da juíza Patrícia Acioli, executada com 21 tiros, em agosto, ao chegar à sua residência, no Rio de Janeiro. Em MT dois magistrados também já constam na Lista do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que vem sofrendo ameaças.

Comente esta notícia