Cuiabá, 30 de Junho de 2022
logo

Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011, 16h:37 - A | A

ACIDENTE AÉREO

Filho de empresário, recém-habilitado, estaria no comando

Segundo informações da polícia, Thiago Martins, 27, havia acabado de concluir o curso de pilotagem

MAYARA MICHELS

O bimotor modelo Cessna 210, que caiu na noite do último sábado (12), em Poconé, e matou quatro pessoas carbonizadas, pode ter sido pilotado pelo filho do empresário. Wagner Martins, 46, proprietário do avião, que era habilitado para pilotar aeronaves de pequeno porte pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Segundo informações da polícia, seu filho, Thiago Martins, 27, que também morreu no acidente, havia acabado de concluir o curso de pilotagem e estaria no comando da aeronave no momento da queda.

Segundo a Polícia Civil do município de Poconé, essa pode ser uma hipótese, porém até o momento não foi confirmada. O laudo oficial que irá apontar quem estava pilotando e a causa do acidente sairá em 30 dias. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) irá informar onde os corpos carbonizados foram encontrados, e os laudos da Politec e da Anac vão dizer se o acidente ocorreu por falha mecânica ou humana.

O RepórterMT tentou contato com a Anac na tarde desta segunda-feira (14), para saber se Thiago já tinha a sua autorização para voo, mas ninguém foi localizado. Além do pai e filho, outros dois funcionários da fazendo de Wagner, os mecânicos Alcindo Bernardo Fogaça e Adeusdete Luiz Barbosa morreram no acidente.

Peritos do Departamento de Aviação Civil (DAC) e da Anac estiveram na manhã de hoje (14) na região do Boqueirão, onde foi encontrada a aeronave para coletar informações para a perícia. As primeiras informações, já apontam que, as asas da aeronave se quebraram assim que caiu no solo. Devido a isto, ocorreu o vazamento de combustível e a explosão.

Comente esta notícia

julio 16/11/2011

OW ESPECIALISTA, O AVIAO NAO ERA BIMOTOR... ERA UM CESNA 210!

1 comentários

1 de 1