Cuiabá, 02 de Julho de 2022
logo

Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011, 16h:30 - A | A

COPA 2014

Deputado diz que obras do Mundial começaram erradas na Capital

Para Percival, a demolição e construção do novo Verdão são fatores que prejudicam e faz com que as obras não prossigam

MAYARA MICHELS

O deputado estadual, Percival Muniz (PPS), garante que Cuiabá vai chegar em 2014 com as obras de mobilidade urbana ainda inacabadas. Segundo ele, a decisão de destruir e fazer um novo verdão são fatores que prejudicam a cidade e faz com que essas obras não prossigam.  Muniz defende que uma obra desse porte, teria que ser feita em uma região mais afastada, e não no centro, evitando modificar assim toda estrutura das vias públicas da Capital.

Para o deputado, o bairro Pedra Noventa seria o local ideal para abrigar o novo estádio. No local que é plano, o parlamentar disse que a região também é propícia para a construção do Aeroporto de Cuiabá. Um dos principais acessos para a região é Avenida das Torres.

“O Verdão serviria de treinamento. E na questão das obras, não teríamos tanta burocracia para inicia-las, já que não seriam necessários tantos gastos com desapropriações. O custo seria menor do que fazer um evento no centro da cidade”, opinou o deputado oposicionista.

Para Muniz, o valor do investimento e o caos que a população irá passar nos próximos meses devido às obras não compensam o transtorno que será instalado. “Apenas quatro jogos serão realizados no Verdão, desses, os ingressos são limitados, é já tem as cotas de cada time, e algumas vagas sobrarão para disputar entre os três milhões de habitantes do Estado”, afirmou.

Ainda de acordo com o deputado, o governador Silval Barbosa (PMDB) tem a responsabilidade de assumir todos os compromissos feitos com o governo federal e a Fifa. Caso contrário, poderá haver até mesmo a perda de mandato do chefe do Executivo estadual. “Já que começou fazendo errado, não pode parar, tem que consertar o que fez. É preciso começar logo, porque do jeito que está, comprando carro para fronteira, nem quero pensa como vamos estar em 2014”, concluiu o deputado.

Comente esta notícia