Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

06 de Novembro de 2014, 08h:33 - A | A

POLÍTICA / HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Deputado dispara contra paralisação das obras e diz que Assembleia quer satisfações do governo

A obra orçada em R$ 116 milhões teria tido o contrato rescindido porque após dois anos de construção, o consórcio formado pelas construtoras Normandia e Edeme, assim como a Incorporadora Phoenix teria efetuado apenas 7% do serviço.

MARCIA MATOS
DA REDAÇÃO



O deputado Guilherme Maluf (PSDB) disparou contra a paralisação das obras do Hospital Universitário, que estava sendo construído pelo governo do Estado na saída para Santo Antônio do Leverger, e foi diversas vezes mostrado no programa eleitoral do candidato a governador Lúdio Cabral (PT).

“Esta é uma péssima informação. Infelizmente, nós vivemos uma necessidade muito grande de leitos hospitalares, especialmente aqui em Cuiabá, Várzea Grande e toda a baixada cuiabana, mais do que isso,  se trata de um hospital de alta complexidade e universitário, ou seja, um hospital  que vai atender todo o estado de Mato Grosso”, declarou.

A obra orçada em R$ 116 milhões teria tido o contrato rescindido porque após dois anos de construção. O consórcio formado pelas construtoras Normandia e Edeme, assim como a Incorporadora Phoenix teria efetuado apenas 7% do serviço.

De acordo com o deputado, que se disse preocupado com a situação, o governo do Estado ainda não repassou qualquer justificativa sobre a rescisão do contrato que culminou na paralização da obra.

“Agora nós estamos numa expectativa. Os deputados estão solicitando maiores informações para saber o porquê desse cancelamento e se  vai ser feita uma nova licitação porque se for feita  uma nova licitação provavelmente isso só vai ser concluído no ano que vem e vai haver  um atraso muito grande dessas obras”, frisou.

Maluf ainda aproveitou para “alfinetar” a gestão de Silval Barbosa (PMDB), que segundo ele estaria tornando casos como estes cada vez mais recorrentes.

“Vai ficar sem data para conclusão. Infelizmente, isso está se tornando uma prática desse governo”, disparou.

A realização de um novo processo licitatório pode levar até seis meses para ser concluída.  

O projeto do hospital prevê a construção de 250 leitos, contendo 23 unidades de terapia intensiva (UTI).


Comente esta notícia