Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

20 de Dezembro de 2014, 11h:56 - A | A

POLÍCIA / GRÁFICA PRINT

Secretário da SAD usou documento falso para comprovar ‘veracidade’ em licitação

Cordeiro é acusado de participar de esquema que desviou R$ 40 milhões com gráficas; delegado diz que serviços nunca foram feitos

JOÃO RIBEIRO
DA REDAÇÃO



O processo licitatório, de 2011, envolvendo a Gráfica Print, teve documento falso usado pelo adjunto da SAD, responsável pela realização do certame, José de Jesus Nunes Cordeiro.

“Ele (Cordeiro) se respaldou contra as decisões do MPE e AGE, usando um documento falso”, declarou o delegado Carlos Cunha, da Delegacia Fazendária do Estado (Defaz), em uma entrevista à imprensa.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A Defaz deflagrou na quinta-feira (18), a operação ‘Edição Extra’, prendendo Cordeiro e o também secretário-adjunto de Comunicação (Secom) Elpídio Spiezzi. Os irmãos Dalmi e Fabio Defanti, proprietários da Gráfica Print e Defanti também foram presos. Eles são suspeitos de participarem de um esquema de processos licitatórios ‘viciados’, de serviços gráficos ao Estado.

De acordo com o delegado, o certame ocorrido em 2011, mas válido para 2012, foi estendido até o fim de 2013. Com isso, a suspeita é que cerca de R$ 40 milhões tenham sido desviados dos cofres públicos.

Carlos Cunha explicou que os policiais estão analisando todos os documentos e arquivos de computadores apreendidos. Segundo ele, todos os contratos do Governo com Gráficas entre 2012 e 2013 serão investigados.

“Com a confirmação desse contrato superfaturado, desconfiamos que isso vai além, já que existe a suspeita que esse serviço contratado sequer foi prestado. Sendo que os envolvidos podem ter emitido uma nota fiscal, simulando ter entregado o produto, para receberem do Estado”, explicou.

ATRAPALHANDO AS INVESTIGAÇÕES

Os irmãos Defanti só se apresentaram na Defaz na manhã desta sexta-feira (19). Aos policiais, alegaram que estavam no interior de Mato Grosso trabalhando.

No entanto, o delegado Cunha, afirmou que os dois descobriram a execução da operação na tarde de quarta-feira (17).  Já que tiveram informações dos próprios parentes deles, que disseram que os dois receberam um telefone e depois foram à noite à Gráfica Print, trocaram todos os HD’s dos computadores, inclusive o compartimento de arquivo que grava as imagens das câmeras de segurança, e fugiram de Cuiabá. 

Segundo o delegado, muitas pessoas estavam envolvidas na operação. Por isso, a ação pode ter sido vazada por algum técnico, policial ou servidor de outros órgãos. 

“Informações estão sendo investigadas e se conseguimos saber quem vazou a informação (da operação) ela será responsabilidade”, falou.

Reprodução

irmao print

Irmãos Defanti estão presos na Defaz, eles teriam trocado HD's de computadores da Gráfica Print para atrapalhar investigações da Polícia.

Comente esta notícia

Ricardo 22/12/2014

Esse secretario é PM e deveria esta aposentado para abrir vaga para outro coronel, ai vem o governo e arruma um cargo pra não aposentar e perder a mordomia ai da nisso.

1 comentários

1 de 1