facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Julho de 2024
22 de Julho de 2024

19 de Outubro de 2017, 17h:57 - A | A

POLÍCIA / INIMIGO ÍNTIMO

Marido estupra mulher e exige R$ 2 mil e passagem para o Nordeste

A mulher de 52 anos disse que o marido a ameaçou, dizendo que conhece traficantes e bandidos que iriam atrás dela, caso ele fosse preso.

CAMILA PAULINO
DA REDAÇÃO



Um usuário de drogas identificado por J.S.M.L. foi preso pela Polícia Judiciária Civil (PJC) após ser denunciado pela esposa, M.V., de 52 anos, que procurou a Delegacia Especializada da Mulher, Criança e Idoso de Várzea Grande, para relatar que foi estuprada e ameaçada pelo companheiro. Ele exigiu da vítima um celular, passagem para o Nordeste e R$ 2 mil em troca da separação. 

De acordo com o boletim de ocorrência, a vítima procurou a delegacia depois de ser violentada por negar ter relação sexual com o marido. A mulher exitou em denunciar o caso porque o marido ameaçava ela e a família de morte. 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A assessoria de imprensa da PJC confirmou o caso ao e disse que o acusado foi preso em flagrante pelos policiais civis.

A mulher relatou na delegacia que, em determinada oportunidade, ela estava passando mal e o marido tentou obrigá-la a manter relações sexuais com ele.

Diante da recusa da vítima, ele a segurou pelo pescoço com uma das mãos e com a outra tapou a boca dela, com muita força.

Neste momento, a vítima conseguiu se soltar, mas durante a madrugada do dia seguinte o marido alegou que se sentia rejeitado e tentou novamente estuprar a mulher, sem sucesso.

Pela manhã, por volta de 6h, ele tentou mais uma vez. Desta vez, a vítima ficou quieta por medo de ser machucada.

Depois de cometer o crime, ele tratou a vítima normalmente, como se nada tivesse acontecido. Em seguida passou a ameaçar a mulher e a família dela de morte.

J.S.M.L. ameaçou a mulher dizendo que conhece traficantes e bandidos que iriam atrás dela, caso ele fosse preso. 

O caso é acompanhado pela Polícia Judiciária Civil (PJC). 

Comente esta notícia