Cuiabá, 09 de Dezembro de 2022
logo

23 de Novembro de 2016, 17h:50 - A | A

POLÍCIA / PEGOS PELA "OSTENTAÇÃO"

Ladrões de banco compraram Hilux à vista e venderam armas roubadas

Quatro bandidos foram presos pelo assalto à agência do Banco do Brasil em Pontes e Lacerda, no dia 14 de novembro. Na ação, os bandidos reagiram e um foi morto em confronto com os policiais.

DA REDAÇAO



Quatro bandidos foram presos acusados de terem cometido um furto qualificado à uma agência do Banco do Brasil no município de Pontes e Lacerda (448 km de Cuiabá), na madrugada do dia 14 de novembro. Com conhecimento do sistema de segurança, os criminosos fizeram um buraco na parede do corredor que dá acesso à sala do cofre, que foi arrombado com uso de ferramentas como maçarico e "pé de cabra". As prisões foram efetuadas na terça-feira (22) e o flagrante finalizado nesta quarta-feira (23).

Um pescador encontrou o equipamento [de gravação da agência no rio] e entregou à Polícia Militar, que encaminhou para à Polícia Civil. “Começamos a investigação por aí e fomos identificando os bandidos no começo desta semana”, disse o delegado Gilson Silveira do Carmo.

Os bandidos desligaram o alarme da agência e retiraram o aparelho de gravação, que depois foi jogado em um rio da região. Um pescador encontrou o equipamento e entregou à Polícia Militar, que encaminhou para à Polícia Civil. “Começamos a investigação por aí e fomos identificando os bandidos no começo desta semana”, disse o delegado Gilson Silveira do Carmo.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Foram presos: Alex Rodrigo Barbosa, 26, apontado como mentor do furto, Simone Virginia Castro Brasão, 23, que teria atuado na distribuição do dinheiro, Andersen Pacheco de Carvalho, 39, que participou diretamente do furto e Wagner Silva Costa.

Quando preso, Alex foi estava em seu carro com um maço de notas de R$ 20,00 molhadas, que foram identificadas como pertencentes ao banco, pelas marcas nas cédulas.  

O bandido morto tinha uma vasta ficha de antecedentes criminais como sequestro, roubos, receptação e quando menor ficou internado para cumprimento de medida socioeducativa.

Durante a ação, os policiais chegaram à casa de Wagner, conhecido como "Vaguinho". Os militares foram recebidos a tiros por Igor Paulo Rodrigues da  Silva, 20 anos, que também chegava naquele momento com 1 kg de entorpecente. O traficante estava armado e na troca de tiros com os policiais acabou sendo morto. “Fomos lá para prender ‘Vaguinho” e encontramos Igor chegando”, contou o delegado.

O bandido morto tinha uma vasta ficha de antecedentes criminais como sequestro, roubos, receptação e quando menor ficou internado para cumprimento de medida socioeducativa.

De dentro do cofre, além do dinheiro, os bandidos levaram oito revólveres da empresa de segurança privada. Conforme o delegado, Gilson Silveira, a identificação dos bandidos ocorreu depois que a Polícia Militar, durante abordagens, conduziu à Delegacia uma pessoa que estava em posse de um revólver furtado da agência. “A partir daí chegamos ao mentor do furto, Alex e aos demais integrantes da quadrilha”, explicou o delegado Gilson.

O delegado também esclareceu que os bandidos, Alex, Simone e Andersen, são do Estado do Pará, e estavam associados a outros criminosos na região para prática de crimes de roubo e tráfico de drogas. A quadrilha também é apontada como autora de outros crimes cometidos da mesma forma. Entre eles, um furto em uma igreja evangélica em Pontes de Lacerda.

As investigações ainda tentam identificar outros três ladrões que participaram do furto. A Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) está dando apoio na identificação dos criminosos.

Os presos responderão por crime de furto qualificado, associação criminosa e tráfico de drogas.

Difusão do dinheiro

Nas investigações, a Polícia Civil apreendeu uma caminhonete Hilux 0 km, que ainda não havia sido retirado da concessionária na cidade de Cáceres (215 km de Cuiabá). O carro foi comprado à vista pelo valor de R$ 190 mil. Também foram apreendidos celulares novos, televisores smart de 60 polegadas, comprados pelos criminosos, possivelmente, com o dinheiro roubado.

Comente esta notícia