facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 13 de Junho de 2024
13 de Junho de 2024

22 de Maio de 2024, 18h:00 - A | A

POLÍCIA / ATAQUE EM PEIXOTO

CRM-MT vota pela suspensão de licença profissional de médico que matou duas pessoas junto com a mãe durante festa

O ataque brutal aconteceu em Peixoto de Azevedo (a 691 km de Cuiabá), no dia 21 de abril deste ano

THIAGO STOFEL
REPÓRTERMT



O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT), por unanimidade, aprovou recomendação pela interdição cautelar total do exercício profissional do médico Bruno Dal Poz, preso e denunciado pelo Ministério Público por envolvimento na morte de duas pessoas e na tentativa de um terceiro homicídio. Os crimes foram praticados junto da mãe dele, a fazendeira Inês Gemilaki, no município de Peixoto de Azevedo, em abril deste ano. A decisão do conselho foi tomada nessa terça-feira (21).

LEIA MAIS - Mãe e filho queriam matar garimpeiro por cobrança de R$ 60 mil de aluguel

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

LEIA MAIS - Mãe e filho invadem festa de aniversário, matam dois e deixam padre ferido

Os conselheiros concordaram que o envolvimento de Bruno nos crimes resulta em fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação ao prestígio e bom conceito da profissão médica.

A análise do caso por parte dos conselheiros observou tanto a ação de Bruno, apontado pelo Ministério Público como um dos autores dos crimes, quanto a omissão dele ao não prestar socorro às vítimas.  

A suspensão do exercício profissional do médico passará a valer imediatamente após o Conselho Federal de Medicina referendar a decisão do CRM-MT.

Supostas ameaças 

Em um pedido de soltura apresentado pela defesa do médico constam prints retirados do celular da mãe dele, que comprovariam que ela estava sofrendo ameaças de comparças do garimpeiro Enerci Afonso Lavall, conhecido como “Polaco”, em razão de uma cobrança de aluguel no valor de R$ 60 mil. Ele era o alvo principal da dupla no dia do ataque que resultou no duplo homicídio, mas nas três vezes que Inês atirou na direção dele, a arma falhou. 

Inês chegou a ganhar um processo contra o homem sobre a dívida, mas ele teria insistido com as amaeças chegando a supostamente enviar homens para ameaçar Inês e o marido dela, um dia antes do crime. 

 

Comente esta notícia

Rogerio sales 23/05/2024

A turma do jaleco branco fazendo cooperativismo por mim. calçava logo o registro. Um médico com uma 12 atirando não socorrendo as vítimas querem mais o que?

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1