facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Julho de 2024
19 de Julho de 2024

22 de Novembro de 2017, 15h:42 - A | A

PODERES / OPERAÇÃO ASAFE

STF suspende ação contra acusados de venda de sentença em Mato Grosso

A decisão é do dia 14 de novembro e suspende ação que tramita na Vara contra do Crime Organizado, sob responsabilidade da juíza Selma Arruda.

DA REDAÇÃO



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, determinou a suspensão de uma das ações penais, decorrentes da Operação Asafe, que investiga suposto esquema de venda de sentenças em Mato Grosso.

A decisão é do dia 14 de novembro e suspende ação que tramita na Vara contra do Crime Organizado, sob responsabilidade da juíza Selma Arruda. O pedido foi feito pelo advogado Rodrigo Vieira Komochena, um dos 18 réus na ação.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A anulação das interceptações telefônicas e escutas ambientais, que serviram para embasar as investigações da Polícia Federal, foi uma das alegações do advogado, que também sustentou violação da ampla defesa e contraditório.

Komochena ainda alegou que as decisões das interceptações não possuíam fundamentação e teriam sido prorrogadas de forma excessiva.

Marco Aurélio concordou que o período de dois anos e sete meses para as escutas foi muito superior ao permitido pela lei.

A legislação de regência vincula a valia da escuta à motivação do ato em que implementada, bem como ao prazo de quinze dias, prorrogável por idêntico período, descabendo interpretar a norma legal a ponto de tornar indeterminada a duração da interceptação”, destacou o ministro do STF.

Dessa forma, ele mandou que o processo ficasse suspenso até a votação do mérito do pedido pelo STF.

Defiro a liminar para suspender, até o julgamento final desta impetração, o curso do processo nº 16788-63.2012.811.0042, em trâmite no Juízo da Vara Especializada Contra o Crime Organizado, Crimes Contra a Ordem Tributária e Econômica, Administração Pública e Lavagem de Dinheiro da Comarca de Cuiabá/MT”, escreveu Marco Aurélio.

Entenda o caso

A Operação Asafe foi deflagrada em 2010, com o cumprimento de 30 mandados de busca e apreensão e oito de prisão. O suposto esquema tinha participação de advogados, desembargadores e lobistas ligados à magistratura e teria beneficiado políticos e criminosos comuns.

Em decorrência das investigações foram condenados com a aposentadoria compulsória o desembargador Evandro Stábile e o juiz Círio Mioto. Stábile ainda foi condenado a seis anos de prisão e perdeu o direito à aposentadoria.

Os réus na ação são acusados de exploração de prestígio e corrupção ativa e passiva pelo envolvimento de servidores públicos, que teriam sido corrompidos para participar do esquema. As investigações apontaram o desembargador aposentado José Tadeu Cury (já falecido), e a esposa dele, Célia Cury, como operadores do esquema.

Comente esta notícia