facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Julho de 2024
19 de Julho de 2024

05 de Dezembro de 2017, 10h:22 - A | A

PODERES / "GRAMPOLÂNDIA"

Ministro do STJ devolve ação contra policiais para o Judiciário de MT

Voltam a ser investigados em primeira instância, o ex-comandante-geral da PM, Zaqueu Barbosa, o ex-secretário da Casa Militar, Evandro Lesco, o ex-adjunto da Casa Militar, Ronelson Barros, o coronel Januário Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira.

CAROL SANFORD
DA REDAÇÃO



O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Mauro Campbell desmembrou parte das investigações das interceptações telefônicas clandestinas, no âmbito da Polícia Militar, e determinou que a 11ª Vara Criminal Militar de Cuiabá seja responsável pela condução da apuração do esquema contra os cinco militares acusados.

Com a decisão, voltam a ser investigados em primeira instância o ex-comandante-geral da PM, Zaqueu Barbosa, o ex-secretário da Casa Militar, Evandro Lesco, o ex-adjunto da Casa Militar, Ronelson Barros, o coronel Januário Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Campbell atendeu ao pedido do Ministério Público Federal, no dia 23 de novembro, para que o juiz Marcos Faleiros, responsável pela 11ª Vara Criminal, apure a conduta e possíveis crimes militares cometidos pelos acusados.

Em 23/11/17, deferi o pedido do Ministério Público Federal de desmembramento do procedimento investigatório e determinei a imediata devolução dos autos da ação penal nº 87031/2017 ao Juízo da Décima Primeira Vara Criminal Especializada da Justiça Militar da Capital - Cuiabá/MT, bem como de todos os apensos e incidentes a ela vinculados que foram listados pelo Ministério Público Federal”, escreveu o ministro.

Os militares são acusados de envolvimento no esquema de “grampos”, denunciado pelo promotor Mauro Zaque, em que tiveram os telefones interceptados, advogados, políticos, empresários, jornalistas, agentes públicos e magistrados, entre os anos de 2014 e 2015.

Todos chegaram a ser presos, porém, permanecem detidos apenas o coronel Zaqueu e o cabo Gerson, desde 23 de maio. Em setembro, Lesco voltou a ser preso, por determinação do desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Orlando Perri, mas obteve a liberdade quando as investigações foram remetidas ao STJ.

Zaqueu e Gerson continuam presos por terem sido apontados como o mentor e o executor, respectivamente, da Central de Inteligência da PM, responsável pelas interceptações clandestinas.

Ao todo, seis inquéritos decorrentes das investigações dos “grampos” foram remetidos ao STJ, em outubro.

Comente esta notícia