facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Julho de 2024
19 de Julho de 2024

02 de Outubro de 2017, 10h:37 - A | A

PODERES / SUPOSTA PROPINA

Mensagens mostram empresário pressionando Avalone para receber cheques sem fundos

Os textos, resgatados do celular de Celson Bezerra, mostram o empresário tentando receber cheques sem fundos da empresa Três Irmãos Engenharia emitidos para pagar suposta propina à gestão peemedebista.

DA REDAÇÃO



Um documento da Polícia Federal, que faz parte da Operação Malebolge, mostra o empresário Celson Bezerra, que atua no ramo de factoring em Cuiabá, fazendo cobranças insistentes ao secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado e empresário Carlos Avalone Júnior - que é sócio da Três Irmãos Engenharia - para receber um cheque sem fundos, supostamente oriundo do pagamento de propina ao ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

As mensagens são de 2015 e foram capturadas do celular de Celson Bezerra, apreendido pelos agentes federais durante a Operação Malebolge, 12ª fase da Operação Ararath, no último dia 14.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O relatório da PF mostra que após Celson não conseguir descontar o cheque da empresa Três Irmãos, o empresário procurou o ex-governador para que conversasse com Avalone sobre o pagamento da “dívida”.

De acordo com as mensagens, no dia 18 de junho de 2015 Celson solicitou que Silval interferisse no caso. O empresário diz que Avalone está na sala de Marcelo Maluf e pede que o ex-governador vá ao encontro deles.

A polícia também encontrou conversas entre Celson Bezerra e Carlos Avalone em que o dono da factoring cobra cheques emitidos pela empresa do atual secretário. Inclusive, há imagens de um cheque que, segundo a PF, seria de R$ 87 mil, assinado por Carlos Eduardo Avalone [irmão de Carlos Avalone Júnior e também sócio da empresa], da Três Irmãos Engenharia que teria voltado após depósito e, com isso, devolvido por credores a Celson. 

Depois do fato, Celson Bezerra passou a ser pressionado pelos credores para receber a dívida. Em delação premiada, o ex-chefe de gabinete de Silval, Silvio Correa, cita os cheques sem fundos de Avalone, além de afirmar que em uma reunião que participou em certo momento, houve discussão entre Celson e Marcelo Avalone, momento em que Marcelo puxou das mãos do empresário alguns cheques e não teria devolvido mais.

Depois dos desentendimentos, Celson Bezerra tenta resolver a questão com Carlos Avalone e afirma não querer estragar a amizade de 40 anos por conta da dívida.

Mas como não recebeu retorno, o empresário dispara: “Vai sacaneando mais...”. Avalone então responde que fala com ele sobre qualquer assunto, desde que não seja este [o suposto dinheiro de propina]. 

Celson Bezerra insiste que Avalone pelos menos interfira e tente resgatar os cheques que Marcelo tomou de suas mãos.

Comente esta notícia