facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

25 de Novembro de 2022, 18h:18 - A | A

PODERES / FRAUDE À LICITAÇÃO

Justiça arquiva investigação contra ex-adjunto de Silval, servidores e empresários

Investigação não encontrou provas contra Valdísio Juliano Viriato e outros

THAIZA ASSUNÇÃO
DO REPÓRTER MT



A Justiça determinou o arquivamento de um inquérito policial contra o ex-secretário adjunto da antiga Secretaria Estadual de Transporte e Pavimentação Urbana (Setpu), Valdísio Juliano Viriato, servidores da Pasta e um empresário por suposto esquema de fraude à licitação.

A decisão é assinada pelo juiz Jean Garcia de Freitas Bezerra, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, e foi publicada nesta sexta-feira (25).  O magistrado acolheu pedido do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT).

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Além de Viriato, também eram investigados os servidores Pedro Gil do Amaral, João Marques Fontes e Fábio Rosa Neves Pacheco e o empresário Edivaldo Henrique de Almeida, dono das Almeida Construtora e Incorporada Ltda e Stalo Construtora.

O inquérito foi aberto em 2014 e apurava a suspeita de que o empresário teria pago propina ao ex-secretário do ex-governador Silval Barbosa, além dos servidores para vencer os processos licitatórios da Septu.

Conforme o MP, após oito anos de investigação, não foi possível produzir provas suficientes que demonstrassem indícios mínimos de autoria dos crimes contra a administração pública.

O Ministério Público informou ainda, que o ex-secretário, que é delator no âmbito da Operação Sodoma, negou os fatos.

“Portanto, considerando a necessidade de que a denúncia esteja arrimada em elementos que comprovem a materialidade do crime e apontem indícios de sua autoria, sob pena de ficar reconhecida a ausência de justa causa para a Ação Penal, e diante da inexistência de elementos de convicção mínimos acerca da ocorrência dos delitos em questão e de sua autoria, bem como em razão da ausência de meios probatórios capazes de trazê-la aos autos no panorama atual, não há alternativa senão finalizar a investigação”, escreveu o juiz.

“Em razão de todo o exposto, considerando a insuficiência de provas da materialidade e/ou da autoria das condutas objeto destes autos requer o Ministério Público de Mato Grosso o arquivamento do presente Inquérito Policial”, decidiu.  

Comente esta notícia

Francisco Gomes 26/11/2022

É. O crime compensa neste Brasil com esse infame de judiciário!!

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1