facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Julho de 2024
19 de Julho de 2024

31 de Outubro de 2017, 15h:20 - A | A

PODERES / SACO SEM FUNDO

Dos R$ 126 milhões em emendas para MT, Emanuel quer ficar com R$ 80 milhões

O Executivo requereu o recurso para pagamento das dívidas da Saúde e se comprometeu em repassar os recursos necessários para a compra de equipamentos do novo Pronto-Socorro

CAROL SANFORD
DA REDAÇÃO



O governador Pedro Taques (PSDB) e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), devem chegar a um consenso para que, na próxima semana, haja uma definição sobre qual será o destino da emenda conjunta de bancada, no valor de R$ 126 milhões. Esse foi o “resultado” da reunião entre senadores e deputados federais nesta terça-feira (31), em Brasília. 

O líder da bancada, deputado federal Victório Galli (PSC), explicou que as conversas entre parlamentares e gestores ficaram suspensas porque não houve unanimidade de entendimento.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Taques requereu o valor total da emenda para pagamento das dívidas da Saúde e se comprometeu em repassar os recursos necessários para a compra de equipamentos do novo Pronto-Socorro de Cuiabá.

Emanuel rejeitou a proposta com argumento de que diante das dificuldades financeiras, o Governo pode não conseguir cumprir o acordo. Ele pleiteia ao menos R$ 82 milhões do valor da emenda para a compra dos equipamentos da unidade de saúde.

O impasse ficou de ser resolvido até a próxima semana, a pedido do prefeito, que deve consultar assessores e equipe técnica. O entendimento será construído entre o gestor da Capital e o secretário da Casa Civil do Estado, Max Russi (PSB).

“O prefeito e o secretário vão continuar conversando e a definição ficou em suspenso até a semana que vem, quando eles deverão apresentar uma proposta em comum acordo”, disse o deputado federal Valtenir Pereira (PSB).

O senador Cidinho Santos (PR) acredita que a tendência é de que a bancada atenda ao apelo do governador.

“A questão é apenas a garantia de que o Governo conseguirá cumprir o acordo e repassar os valores quando o Pronto-Socorro ficar pronto. Tenho certeza de que ele irá cumprir e teremos um consenso”, comentou o republicano.

A emenda conjunta tem prazo até 30 de dezembro para ser empenhada pelo Governo Federal e, com isso, garantir a destinação dos recursos.

Leia mais

Emanuel recusa acordo com Taques e trava liberação de emendas parlamentares

Comente esta notícia

Jonas henrique 31/10/2017

Deve ser pra pagar propina ou para plantar as palmeiras kkkkkkkk

positivo
0
negativo
0

Armindo de Figueiredo Filho Figueiredo 31/10/2017

VAI QUERENDO!!!!!! E A DINHEIRAMA DO PALETÓ???ONDE TÁ?? Até agora..., ninguém sabe qual foi o seu DESTINO. O POVO QUER SABER!!!ORA BOLAS!!!!!

positivo
0
negativo
0

2 comentários

1 de 1