Cuiabá, 01 de Outubro de 2022
logo

11 de Agosto de 2022, 07h:22 - A | A

PODERES / NÃO PROCUROU DEPUTADOS

Botelho manda Wellington vestir manto da humildade: "Não tem essa de ficar sossegado"

Para o deputado, o senador estaria focado apenas no apoio do presidente e se esqueceu de conversar com a base no Estado.

DAFFINY DELGADO
DO REPÓRTER MT



O presidente da Assembleia Legislativa (ALMT), o deputado estadual Eduardo Botelho (União), criticou nesta quarta-feira (10), a postura do senador Wellington Fagundes (PL), que até agora, não teria conversado com as lideranças políticas no Estado sobre seu projeto ao Senado Federal. Para o parlamentar, Fagundes deveria ‘vestir o manto da humildade’.

“Se ele não vestir o manto da humildade e vir aqui sentar, aí, meu amigo, nós vamos liberar todo mundo para cada um pegar o seu rumo”, disparou deputado antes da sessão na Assembleia Legislativa.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Botelho destacou que o candidato teria que se reunir com os deputados no Legislativo Estadual e não se apoiar nas ‘ordens’ do presidente da República Jair Bolsonaro (PL) emanadas para seus apoiadores, em Mato Grosso.

Leia também: Pivetta: "Deputados do PSD e PP estão com Mauro. Aliança com oposição é mera formalidade”

"Não é: Bolsonaro já deu ordem, acabou, posso ficar sossegado. Não senhor, venha aqui conversar primeiro", destacou.

Apesar de o União Brasil ter fechado coligação com o Partido Liberal, Botelho explicou que ainda não se decidiu sobre quem pretende apoiar na disputa nas eleições deste ano.

"Particularmente, provavelmente, ainda não conversei, tô esperando inclusive ele descer para vir conversa – que não veio conversar com ninguém.Ele tem que vir conversar com os deputados primeiro. Ele está achando que fazer acerto só lá em Brasília já está tudo resolvido. Não, ele tem que vir aqui, sentar com os deputados, com os vereadores, com os prefeitos", afirmou.

Wellington Fagundes e o deputado federal Neri Geller (PP) vêm disputando apoio dos parlamentares que compõem a base do governador Mauro Mendes (União Brasil). Os dois vão concorrer a uma única vaga ao Senado por Mato Grosso nas eleições de outubro.

Comente esta notícia