facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 18 de Julho de 2024
18 de Julho de 2024

19 de Dezembro de 2017, 15h:53 - A | A

PODERES / SEM DUODÉCIMO

Botelho diz que Assembleia não paga fornecedores há 3 meses

Segundo o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho, a dívida do Estado com o Legislativo alcança o valor de R$ 127 milhões, entre os anos de 2016 e 2017.

CAROL SANFORD
DA REDAÇÃO



O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), contou nesta terça-feira (19) que os fornecedores da Casa estão sem receber há três meses. O motivo é a falta de repasse do duodécimo pelo Executivo.

“Podemos ficar sem duodécimo? Claro que não. Vamos ficar sem pagar essas pessoas? Eles estão sendo muito parceiros, mas na esperança de receber brevemente”, pontuou Botelho.

Segundo ele, a dívida do Estado com o Legislativo alcança o valor de R$ 127 milhões, entre os anos de 2016 e 2017.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Não paramos nossos serviços graças aos parceiros, que são muito compreensivos. Estão sem receber há três meses e continuam prestando os serviços”, disse Botelho.

O chefe do Legislativo estadual informou que os postos que fornecem combustíveis aos veículos oficiais não recebem, assim como as empresas responsáveis pelos serviços gerais de limpeza e manutenção da Assembleia.

No total, os atrasos nos repasses do duodécimo com todos os poderes chegam a R$ 700 milhões. No entanto, os valores referentes ao ano de 2016 foram acordados em serem quitados por meio da Emenda Constitucional do Teto de Gastos. A dívida será paga conforme o excesso de arrecadação do Estado.

Botelho ainda disse que vai conversar com o governador Pedro Taques (PSDB), uma vez que o Legislativo não tem recursos para a folha de pagamento e 13º salário no mês de dezembro.

Nos últimos dois meses, o Executivo repassou valores apenas para que os poderes honrassem com o pagamento dos funcionários. Porém, o presidente da Assembleia afirmou não ter mais condições de manter a dívida com os fornecedores.

“Podemos ficar sem duodécimo? Claro que não. Vamos ficar sem pagar essas pessoas? Eles estão sendo muito parceiros, mas na esperança de receber brevemente”, pontuou Botelho.

Comente esta notícia