facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024

05 de Outubro de 2017, 14h:26 - A | A

PODERES / DEDO NA FERIDA

Antônio Joaquim diz que Governo Taques acabou sem ter começado

"O Estado virou uma empresa e o servidor tem ódio do gestor que, segundo ele, se mostra surdo e arrogante", diz

DA REDAÇÃO



O Conselheiro afastado do Tribunal de Contas de MT, Antônio Joaquim, publicou hoje em suas redes sociais que vai reconsiderar a decisão de adiar sua aposentadoria e decidiu manter  o trâmite que havia iniciado antes de ser afastado do cargo de presidente e da função de conselheiro por ordem do Ministro Luis Fux, do STF.  O adiamento da aposentadoria anunciado antes seria para se defender as acusações, apontadas na delação do ex-governador Silval Barbosa.

AJ, além da opção pela aposentadoria também reafirmou seu desejo de disputar o governo de MT e cutucou o atual, Pedro Taques, dizendo que a "gestão acabou sem ter começado e está agonizante e sem rumo". O destino de Joaquim deve ser o PTB ou o PMDB. 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Para o conselheiro a gestão Taques não transmite esperança e deve ter fim melancólico. Ele diz que Taques "não está apto para o exercício de um cargo Executivo”.

"A saúde está um caos, com hospitais fechando e pessoas morrendo por falta de atendimento decente"

Antônio Joaquim já foi deputado estadual, deputado federal, secretário de Estado de Infraestrutura e de Educação, no governo de Dante de Oliveira (já falecido). AJ já havia, antes mesmo do afastamento, anunciado sua saída do TCE.

Ao site Conexão Poder, o então presidente do TCE-MT comentou que não tinha mais motivação para ser juiz de contas e que, por sua vontade de voltar a disputar eleição, "seria deprimente usar o TCE com fins políticos".

AJ foi afastado do TCE acusado de receber propina do ex-governador e lavar dinheiro por meio da venda de uma fazenda. Silval disse que pagou R$ 53 milhões em propinas para conselheiros. Ao , Antônio Joaquim disse que sente a "reputação sequestrada, já que, sequer, existe uma denúncia formal”. 

Pedro Taques

Antônio Joaquim avalia o atual governo como sinônimo de caos,  imobilismo e inaptidão. Para ele, Taques está manchado pela acusação de caixa dois em campanha, fraudes na Educação (secretário foi preso), além do escândalo dos grampos, ao qual chama de 'aparato nazista'.

"O Estado virou uma empresa e o  servidor tem ódio do gestor que, segundo ele, se mostra surdo e arrogante. "A saúde está um caos, com hospitais fechando e pessoas morrendo por falta de atendimento decente", ponderou. AJ acusou o governo de torrar R$ 300 milhões com o VLT, mas não fazer um centímetro de trilho. "Já não se pode mais colocar a culpa só no Silval [Barbosa]", finaliza.

Comente esta notícia

Cuiabano 06/10/2017

Esse fanfarrão não fez nada, absolutamente nada dentro desse TCE cabide de empregos e agora vem criticar todo mundo. Fanfarrão mesmo.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1