Cuiabá, 16 de Agosto de 2022
logo

13 de Dezembro de 2017, 07h:00 - A | A

PODERES / DÍVIDA DE R$ 151 MIL

Advogados acusam deputado petista de calote e cobram honorários na Justiça

A ação movida pelo escritório do advogado Rodrigo Cyrineu sustenta que os serviços seriam pela defesa de Valdir Barranco no processo que deferiu o registro de candidatura do deputado.

DA REDAÇÃO



Os advogados Rodrigo Cyrineu e Ademar José da Silva, donos do escritório Cyrineu e Silva Advocacia S/S, ingressaram com uma ação judicial para cobrar uma conta de R$ 151, 8 mil do deputado estadual Valdir Barranco (PT), que seria referente a supostos honorários advocatícios. No entanto, o petista nega ter contratado os serviços do escritório.

Na ação, que está sob tutela do juiz Emerson Luis Pereira Cajango, da 4ª Vara Cível de Cuiabá, os advogados afirmam que após a campanha de 2014, época que Barranco teve o registro de candidatura negado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), por suposta compra de votos, o deputado e seu atual assessor parlamentar, o também advogado Elvis Klauk Junior, contrataram o escritório para reverter a decisão.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Cyrineu e Ademar afirmam ainda, que quando houve a contratação, Barranco havia dito que naquele momento não tinha como pagar os honorários, mas que seria generoso caso tivesse o registro deferido pela Justiça do Eleitoral.

Os advogados destacam – no processo – que a partir deste momento trabalharam “incessantemente” e que, inclusive, no recesso forense de 2014 do Judiciário continuaram a atuar no caso. Como prova, os sócios citam “o fato do Sr. Rodrigo Terra Cyrineu ter sido o advogado responsável por realizar a sustentação oral perante o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nos autos do Recurso Ordinário”.

Após conseguir o cargo de deputado [retirando o posto do coronel Perry Taborelly], os advogados destacam que Valdir Barranco passou a se “esquivar” do pagamento afirmando que não havia “pacto escrito que o obrigasse a adimplir a obrigação”.

A versão do petista é bem diferente. Barranco conta que logo após ter o registro de candidatura indeferido pelo TRE procurou o ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Geraldo Riva, e sua filha, a deputada Janaina Riva (PMDB), para pedir ajuda, já que os políticos faziam parte da base aliada de seu grupo.

Segundo o petista, depois do pedido, Riva e Janaina teria cedido o “corpo jurídico composto pelos Drs. Rodrigo Terra Cyrineu e Ademar José P. da Silva”.

Barrando ainda destacou que sua defesa foi feita pelos advogados Thiago de Carvalho Migliato e Márcio Silva, ambos com escritório profissional em Brasília (DF).

O deputado também questiona o valor pedido por Cyrineu e Ademar que pendem R$ 151,8 mil. Os advogados garantem que o valor está baseado na tabela de honorários da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

“Como é possível e sensato um escritório que prestou apenas assessoria jurídica receber esse valor de honorários, (...) dois escritórios que prestaram serviços advocatícios durante todo o trâmite processual e ainda por cima foram devidamente contratados, receberem apenas R$ 25 mil e R$ 30 mil?”, diz trecho da ação.

Além disso, Barranco solicita indenização dos advogados por danos morais e que o processo fique em segredo de Justiça.

Comente esta notícia