Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

20 de Novembro de 2014, 08h:40 - A | A

OPINIÃO /

Tempos agitados

A corrupção nos acompanha desde sempre. Aqui, achou o ninho perfeito para proliferar

ROBERTO BOAVENTURA



A calmaria não nos pertence mesmo. Pior: há época em que tudo parece acontecer ao mesmo tempo, o que torna difícil escolher apenas um tema para a abordagem semanal. 

Atravessamos dias assim: turbulentos. Tão turbulentos que até a morte de Manoel de Barros, quinta-feira (13/11), não receberá neste texto a atenção que merecia. 

Só o registro do meu lamento, seguido da certeza de que dificilmente teremos outro poeta tão maior que soube focar seu olhar para o menos da vida. 

Também não receberá a merecida atenção a partida de Leandro Konder, um intelectual que ainda se autodeclarava marxista em plena era do vazio contemporâneo. 

Assim, no lugar de homenagens a esses dois importantes brasileiros, compartilho reflexões que não podem esperar. 

Uma delas se refere aos respingos da operação “Lava Jato”, mais especificamente a pontos do discurso da presidente Dilma Rousseff, proferido na Austrália, em 16/11, onde participou da cúpula do G-20. 

No geral, a presidente chamou as apurações da Polícia Federal de “simbólicas”, pois é a primeira investigação que envolve agentes privados e públicos. Todavia, para ela, não é possível “demonizar todas as empreiteiras”. 

Mesmo assim, disse que o escândalo na Petrobrás “mudará para sempre a sociedade brasileira, o Estado brasileiro e a empresa privada... Mudará o Brasil para sempre... porque vai acabar com a impunidade”. 

No entanto, para atenuar a gravidade que paira sobre agentes de seu governo, bem como de seu partido (PT), falou que era possível listar muitos escândalos antes do da Petrobrás: “escândalos que nunca foram investigados”. 

É vero! 

A corrupção nos acompanha desde sempre; aliás, atravessou o Atlântico em caravelas portuguesas na entrada do século XVI. Aqui, achou o ninho perfeito para sua proliferação. 

Contudo, os corruptos anteriores aos envolvidos do governo atual – muitos deles escondidos nas sombras das cruzes do catolicismo – nunca tiveram pudor algum; por isso nunca foram baluartes contra a corrupção. Apenas viveram-na. 

Já a turma do atual governo sim; aliás, essa gente criou os seguintes imperativos: “Fora, Sarney”; “Fora, Collor”; “Fora, Itamar” e “Fora, FHC”. Houve quem aprendesse as lições... 

Seja como for, não creio que esse gigantesco escândalo de corrupção, mesmo sendo o maior de nossa história, seja tão significativo a ponto de “mudar o (imenso) Brasil”. 

Para isso, muita gente transformada em graúda, hoje de barba de molho”, precisaria ser exposta. Será exposta? 

Enquanto isso, outra forma de corrupção, aparentemente menor, me incomoda: os sistemáticos problemas do Enem. O deste ano foi o vazamento da prova de redação. Para a felicidade dos organizadores, esse escândalo pode virar pó diante do que ocorre na Petrobras. 

Todavia, é lamentável e inconcebível essa situação. Em países sérios, um exame assim seria cancelado. Nitidamente, houve privilegiados no processo; houve prejudicados no certame. 

Um desses foi o jovem piauiense Jomásio Barros Filho. Em vídeo ele mostra que recebeu uma mensagem com foto da prova de redação uma hora e treze minutos antes do exame. 

Na hora, Jomásio pensou que fosse outra mentira circulando nas redes, mas se revoltou quando recebeu a prova de redação e viu que era a mesma da foto. Em duas horas ele fez a prova e foi à Polícia Federal registrar a denúncia. À imprensa disse que aquilo era “injustiça com muitos alunos. Quem tinha esse tema vai se sobressair sobre quem não tinha”. 

E daí? Ficamos assim mesmo? Nada vai acontecer? 

Eis uma chance do governo mostrar já que não aceita corrupção de tipo algum. 

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia