Cuiabá, 16 de Agosto de 2022
logo

27 de Dezembro de 2017, 07h:55 - A | A

OPINIÃO / EUSTÁQUIO RODRIGUES

Retratos do Brasil IV

O Gênesis e a formação do povo brasileiro



Continuando a série em 5 episódios de Retratos do Brasil, vamos voltar ao início dos tempos, inspirados por Darcy Ribeiro e Deus - o único e Todo-Poderoso.

No início só havia escuridão. Então, Deus, cansado de ficar sozinho em sua Trindade, resolveu criar o universo, o planeta Terra, os países todos e por fim o Brasil. Ao criar essa nação singular, Deus lançou muitas bênçãos sobre ela. Mas…

E disse Deus ao criar o Brasil: Faça-se a Luz. E tudo ficou iluminado. Mas junto com a luz veio a tarifa mais alta do continente, junto com uma infinidade de impostos com as mais altas alíquotas do planeta. De quebra, umas concessionárias "meia-boca".

No segundo dia disse Deus: Separem-se o céu e a terra. Porém, a terra foi muito mal dividida, ficando enormes latifúndios improdutivos. Com a terra na mão de poucos, vieram os Sem-Teto, o MST e o Incra. Alguns anos depois grandes plantações invadiram a floresta e passaram a exportar sua produção com zero icms, enquanto milhões passam fome.

No terceiro dia Deus criou as águas e a vegetação. Belos e grandes rios correndo pelo país, que insiste em poluí-los, assoreá-los e a matar seus peixes (tudo bem que com a criação das águas teve que se criar a CAB). Nesse país, uma empresa destrói um rio inteiro e nada acontece com ela ou com seus controladores. Dragas sugam suas areias e o esgoto é lançado diretamente em seu leito. Pobre Rio Cuiabá, pobre Rio Tietê. Saudoso Rio Coxipó. E as florestas somem pouco a pouco, cedendo lugar para a soja, pasto e qualquer coisa que dê um dinheiro.

No quarto dia, com o país formado, Deus criou as estrelas do céu - o sol e a lua. Porém algumas cidades desse país ficam mais próximas do sol que as outras, tais como Cuiabá, Teresina, Porto Velho e Poconé. E a lua, vigia noturno, fica envergonhada com o que acontece na calada da noite nesse país, principalmente em Brasília, Rio de Janeiro e no Maranhão. Esses luminares serviam para separar a luz das trevas, mas as pessoas desse lugar amaram mais as trevas.

No quinto dia Deus criou os animais das águas e do ar. Disse para que eles se multiplicassem. Entretanto, algumas espécies, como as de Depputados Federalense, Deputtadensis Estadual e Vereaddoris, multiplicaram-se por demais, infestando o país como parasitas, sugando para si todos os recursos naturais (e artificiais) disponíveis. Virou uma praga difícil de conter e sem perspectiva de ser eliminada.

No sexto dia o Todo-Poderoso criou o homem e a mulher e deu a eles todo o poder sobre tudo naquele país. Criou a todos de forma igual, mas alguns inventaram o foro privilegiado e se tornaram mais iguais que os outros. Estes, não foram enganados pela serpente, ao contrário, se juntaram a ela e, hoje, perpetuam todo o mal que é possível fazer. Criam leis nefastas, advogam em causa própria, soltam bandidos notórios, roubam, pilham, malufam, enganam e maltratam um povo oprimido e anestesiado que ali habita - e que não cansa de ouvir Pablo Vittar.

No sétimo dia, Deus viu que tudo ali era para ser bom. Era. Mas o próprio povo que ali habita se esmera em acabar com a nação, votando nas mesmas pessoas que costumam criticar por corrupção. E Deus vendo que as reformas trabalhista e previdenciária estavam por vir, resolveu, finalmente, descansar e logo em seguida se aposentar. Melhor agora do que esperar a eternidade.

Eustáquio Rodrigues Filho - Servidor Público

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia