facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

17 de Dezembro de 2022, 06h:06 - A | A

OPINIÃO / LUCIANO BARBOSA

Precisamos falar de saúde mental até durante as festas de fim de ano



A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou neste segundo semestre de 2022 sua maior revisão mundial sobre saúde mental desde a virada do século. O trabalho fornece um plano detalhado para governos, acadêmicos, profissionais de saúde, sociedade civil e outros com a ambição de apoiar o mundo na transformação sobre esse tema, que ainda é um tabu.

A saúde mental ainda é pouco discutida diante da imensidão de pessoas atingidas por essas doenças. Nós precisamos falar de saúde mental porque é comum as pessoas que estão muito tristes ou ansiosas acharem que ‘o problema’ está nelas. Mas na verdade o que acontece é que adoecemos no coletivo, então é no coletivo que devemos buscar uma via razoável para lidarmos com o nosso sofrimento psíquico. É por isso que precisamos nos engajar nessa discussão em escolas, famílias e empresas de uma maneira eficaz.

Principalmente neste período de fim de ano, Natal e Réveillon, as pessoas são forçadas a apresentar uma alegria constante, gratidão pelo ano encerrado e entusiasmo para o próximo ano. Para boa parte da população o sentimento é de alegria, mas o período também faz aflorar a tristeza, angústia e solidão para alguns. Para se ter uma ideia da dimensão dessa realidade, historicamente, a procura por atendimento no Centro de Valorização da Vida (CVV) aumenta cerca de 20% em dezembro.

Quando percebemos que outras pessoas se sentem de maneiras parecida ou próxima, isso pode ajudar a encontrar saídas coletivas, inclusive com políticas públicas e outros projetos. Um exemplo de engajamento nesta questão são os príncipes de Gales William e Kate, que possuem uma ONG para dá apoio e suporte aos tratamentos na Inglaterra e viajam pelo mundo para falar sobre a importância de cuidar da mente. Ter famosos que falem de sua saúde mental ajuda a desmistificar o tema.

É muito importante ter apoio de familiares e amigos, mas é ainda mais importante procurar ajuda profissional. Se um amigo quiser conversar e desabafar, indique uma psicoterapia. Falamos, damos novos significados, revelamos fatos e emoções para uma pessoa que foi treinada para traduzir isso de acordo com o conhecimento científico. O profissional psicólogo tem uma bagagem que o instrumentaliza a analisar e a intervir amparado em conhecimento testado e verificado.

Precisamos falar porque o adoecimento psíquico, incluindo o suicídio, são questões de saúde pública. É importante que todos se engajem no tema, mas também é igualmente importante não ficarmos apenas nas discussões. A saúde mental deve ser pauta o ano inteiro porque todos os dias pessoas estão tirando a sua própria vida, em todos os cantos do planeta. Com isso, precisamos de políticas públicas que funcionem em todas as instâncias.

Luciano Barbosa é mestre e docente em psicologia da Estácio.


>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia