Cuiabá, 31 de Janeiro de 2023
logo

01 de Novembro de 2014, 15h:53 - A | A

OPINIÃO / GABRIEL NOVIS NEVES

Finitude

Qualquer intervenção cirúrgica - por menor que ela seja

GABRIEL NOVIS NEVES



Qualquer intervenção cirúrgica - por menor que ela seja - se afigura para nós como uma perspectiva de finitude. 

Quer queiramos ou não, a nossa mente fica povoada de pensamentos negativos, todos filiados à interrupção da nossa estada no conturbado, porém delicioso, planeta Terra. 

Somos contraditórios na nossa essência, pois passamos  repetindo que "a vida é um vale de lágrimas" (conceitos passados por várias religiões) e que só a morte nos elevará a planos superiores de vida. 

Mas tudo isso é puro blá-blá-blá, uma vez que gostaríamos mesmo é da imortalidade. Isso é tão verdade que a sociedade criou para uns poucos privilegiados que se destacam dos demais, a chamada "Academia dos Imortais". 

Pessoalmente, mesmo encarando a morte como o final de um ciclo de vida, tento conviver com ela de uma maneira tranquila, mas tomo meus cuidados para postergá-la ao máximo possível. 

A quantidade de energia vital e de projetos promissores para um futuro próximo é o que mantêm acesa a chama de vida que todos carregamos. 

Creio plenamente que a morte natural só ocorre com a desistência, quando desaparecem as perspectivas do aparecimento de novos pontos luminosos. 

Acho que esse é o momento decisivo, quando o futuro não mais se apresenta em nenhuma outra dimensão. 

Tal como os elefantes, creio que algumas poucas pessoas conseguem atravessar esse estágio de percepção e, aí sim, partem tranquilamente para o tudo ou nada. 

E pensar que toda essa divagação ocorreu pelo simples procedimento de colocar um marca-passo... 

Gabriel Novis Neves

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia