facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Julho de 2024
19 de Julho de 2024

31 de Outubro de 2017, 07h:55 - A | A

OPINIÃO / GONÇALO ANTUNES

Existência e essência

Existencialismo é a doutrina que torna a vida humana possível



O saber é uma obra coletiva, ninguém cria algo do zero.

Em Sartre, especialmente no "O Existencialismo é um Humanismo", vê-se que o conferencista (a obra reproduz a conferência proferida em 1946) não está sozinho, mas acompanhado de Jaspers e Marcel, do existencialismo cristão, e Heidegger, ateu, assim como ele

Da contextualização de sua fala e escrita, percebe-se que Sartre não busca resultado prático, mas o esclarecimento da questão existencialista ao abordar e refutar, de início, as várias acusações dirigidas ao existencialismo.

Enumera-as: quietismo, com a consequente filosofia contemplativa, burguesa, portanto (acusação dos comunistas); acentua a ignorância humana, expondo o sórdido e negligenciando o belo, o lado luminoso da natureza humana; e na ótica cristã, acusam aos existencialistas de negar a realidade e a seriedade dos empreendimentos humanos, suprimindo os mandamento de Deus e os valores inscritos na eternidade.

Registra, de início, que por existencialismo se deve entender a doutrina que torna a vida humana possível, declarando que toda verdade e toda ação implicam um meio e uma subjetividade humana.

No existencialismo se percebe não haver contradição (diferente de contrariedade) na realidade, no homem em concreto, mas somente no raciocínio.

E se há contradição no raciocínio existencialista, esta supera as vertentes cristã e ateia, ancorando-se tão somente em preconceitos fundamentalistas, tanto religiosos quanto metafísicos.

Após equalizar e indicar precisamente os pontos em que a doutrina existencialista é atacada, Sartre define como ponto comum entre os existencialistas cristãos e ateus o fato de que a existência precede a essência, ou seja, é preciso partir da subjetividade.

E como explicar o primado da existência

Sartre se socorre da realidade circundante, não do homem, mas dos objetos, em que a essência precede a existência.

Por exemplo, ao olhar para o corta-papel, de antemão conhecemos sua utilidade e objetivamente apreendemos sua essência.

Antes mesmo daquele corta-papel ser produzido, vale dizer, ter existência física, sabemos tudo quanto necessário para fabricá-lo assim como para qual finalidade servirá. Temos a essência antecedendo a existência.

 Se assim o é nos objetos sem subjetividade, no homem, ao contrário, é a partir da existência que se formará a essência. Até então é um nada, e sua essência se formará da realidade que viverá.

É por aí...

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO é juiz de Direito em Cuiabá.

[email protected]

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia