facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

11 de Junho de 2024, 14h:06 - A | A

OPINIÃO / DANIELA SANTOS

As festas juninas e os riscos de queimaduras

DANIELA SANTOS



As festas juninas, celebradas em todo o Brasil no mês de junho, trazem consigo tradições que incluem fogueiras, fogos de artifício e comidas típicas. No entanto, essa época festiva também aumenta o risco de queimaduras, que podem variar de leves a graves, demandando atenção e precaução por parte dos participantes. O Ministério da Saúde destaca que cerca de 1 milhão de pessoas são vítimas desse acidente, todos os anos.

De acordo com dados da Agência Brasil, o número de acidentes com queimaduras aumenta significativamente durante o mês de junho, sendo que os fogos de artifícios e o frio estão entre as principais motivações das ocorrências, além de líquidos superaquecidos e combustíveis. Crianças e idosos são a parcela da população mais vulnerável.

Por esse motivo, em 2009 foi instituído o Dia Nacional de Luta Contra Queimaduras, celebrado com junho, com a finalidade de divulgar as medidas preventivas necessárias à redução da incidência de episódios envolvendo as queimaduras, que são feridas traumáticas causadas, na maioria das vezes, por agentes térmicos, químicos, elétricos ou radioativos.

Ainda conforme o Ministério da Saúde, as queimaduras são consideradas uma das condições mais devastadoras no atendimento à saúde, pois costumam causar dor, longos períodos de internação, diversas sequelas para a vítima e, em casos mais graves, até a morte. Mesmo o material menos potente pode ser suficiente para causar queimaduras, pois esses artefatos também podem provocar mutilações, atingir a retina, causando cegueira, e até romper o tímpano dependendo da intensidade do explosivo.

Enquanto ortopedista, especialista em cirurgia da mão, saliento que em caso de acidentes, é imprescindível procurar atendimento médico imediatamente, pois somente um profissional será capaz de avaliar a gravidade da queimadura. A primeira medida é resfriar o local com água gelada. Evite aplicar borras de café ou pasta de dente. Outra medida é tomar um analgésico, pois a queimadura dói.

É bom destacar que muitas queimaduras poderiam ser evitadas com a adoção de práticas mais seguras e a conscientização sobre os perigos, como por exemplo, não manipular álcool próximo a objetos inflamáveis ou utilizá-lo diretamente sobre o fogo, manter crianças longe da cozinha durante o preparo dos alimentos, e sempre direcionar o cabo das panelas para a área do fogão. Já que estamos falando das festas juninas, dê preferência às fogueiras pequenas, que só devem ser acesas longe de matas, de depósitos de papel, de produtos inflamáveis ou ventanias.

As entidades médicas (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, Conselho Federal de Medicina – CFM e Sociedade Brasileira de Cirurgia de Mão – SBCM) se uniram para alertar sobre os riscos e perigos desses artefatos, pois uma brincadeira não pode se transformar em um trauma.

As festas juninas são momentos de alegria e celebração, mas é crucial manter a segurança em primeiro lugar para evitar acidentes que podem ter consequências graves e duradouras.

*Dr. Daniela Santos é médica ortopedista, especialista em cirurgia de mão e membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, regional Mato Grosso (SBOT-MT)

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia