Cuiabá, 31 de Janeiro de 2023
logo

16 de Dezembro de 2014, 16h:42 - A | A

JUDICIÁRIO / OPERAÇÃO LAVA JATO

Executivos de empreiteira que construiu Arena Pantanal viram réus na operação

Obra de estádio cuiabano para a Copa custou cerca de R$ 700 milhões e foi muito contestada no meio esportivo nacional

DA REDAÇÃO



O juiz federal Sérgio Moro acatou a denúncia do Ministério Público Federal contra mais 05 executivos da empreiteira Mendes Júnior, empresa que construiu a Arena Pantanal, em Cuiabá, por envolvimento em contratos suspeitos com  a Petrobras, descobertos pela Operação Lava Jato. Nesta terça (16) tornaram-se réus o vice-presidente da da empresa, Sérgio Cunha Mendes, os diretores Ângelo Alves Mendes, Rogério Cunha de Oliveira, Alberto Elísio Vilaça Gomes e o funcionário da construtora José Humberto Cruvinel Resende.

Agora já são 30 os réus nas ações penais da Lava Jato. Segundo a acusação, há irregularidades nos processos licitatórios vencidos pela Mendes Júnior, individualmente ou em consórcio com outras empresas, em obras contratadas pela Petrobras referentes à Refinaria de Paulínea (REPLAN), em São Paulo, à Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ), à Refinaria Gabriel Passos (REGAF), em Minas Gerais, ao Terminal Aquaviário de Barra do Riacho, em Aracruz (ES) e aos Terminais Aquaviários de Ilha Comprida e Ilha Redonda, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro.

  “Em decorrência do esquema criminoso, os dirigentes da Mendes Júnior teriam destinado pelo menos cerca de 1% sobre o valor dos contratos e aditivos à Diretoria de Abastecimento da Petrobras, destes valores sendo destinado parte exclusivamente a Paulo Roberto Costa”, diz trecho do despacho.

Em novembro, Sérgio Mendes confirmou à Polícia Federal o pagamento de propina ao doleiro Alberto Youssef. Conforme o advogado de Mendes, o executivo relatou aos delegados da PF que foi obrigado a pagar propina de R$ 8 milhões ao doleiro.

Segundo ele, Youssef exigiu o pagamento da quantia para que a Mendes Júnior recebesse os valores a que tinha direito em contratos de serviços licitamente prestados e para continuar participando das licitações da Petrobras. De acordo com a defesa, foram feitos quatro pagamentos seguidos, de julho a setembro de 2011. (com Agência Brasil). 

Comente esta notícia

Julio THKR 17/12/2014

..."Empresa que Construiu a Arena Pantanal" (virgula), pois a Obra está inacabada e é certo que o que for feito será após a concessão...

1 comentários

1 de 1