Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

07 de Novembro de 2014, 06h:00 - A | A

JUDICIÁRIO / REELEIÇÃO CERTA

Eleição para Defensor-Geral é nesta sexta; Djalma é único candidato

O cargo de Defensor-Geral é novamente pleiteado por Djalma Sabo Mendes Júnior

DA REDAÇÃO



A eleição para escolha do Defensor Público-Geral e Conselheiros da Defensoria Pública do Estado para o próximo biênio (2015/2017) será realizada nesta sexta-feira (07), das 13h às 17h30, na Sede Administrativa da Instituição, em Cuiabá.

O cargo de Defensor-Geral é novamente pleiteado por candidato único, sendo ele Djalma Sabo Mendes Júnior, que vai à reeleição. Já as seis cadeiras do Conselho Superior da Defensoria, são disputadas por oito Defensores.

Este será o primeiro pleito da Instituição em que será utilizada urna eletrônica, fruto de uma parceria firmada com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE). De acordo com a presidente da Comissão Eleitoral, Defensora Pública Aline Carvalho Coelho, a urna eletrônica garante lisura e celeridade ao processo. “Enquanto a apuração das cédulas demorava mais de três horas, neste ano devemos estar com o resultado em menos de 30 minutos”.

Todos os membros da Instituição estão aptos a votar tanto para Defensor-Geral quanto para Conselheiro. O voto é direto, secreto, plurinominal e obrigatório para todos os Defensores Públicos. A nomeação do Defensor-Geral, por sua vez, é prerrogativa do Governador do Estado, que tem até 30 de novembro para oficializar a decisão.

Conselheiros

Disputam o cargo de Conselheiro da Instituição os Defensores Públicos, Alex Campos Martins, Augusto Celso Reis Nogueira, Diogo Madrid Horita, Elianeth Gláucia de Oliveira Nazário Silva, José Carlos Evangelista, Márcio Frederico de Oliveira Dorilêo, Maria Luziane Ribeiro e Rafael Rodrigues Pereira Cardoso. O Conselho Superior é formado por seis membros e cada Defensor Público pode votar em até seis nomes.

 

Comente esta notícia

Celso 07/11/2014

Esse é outro que não larga o osso, vai para as comarcas trabalhar como defensor e ajudar as pessoas carentes e desamparadas, que sede de poder.

1 comentários

1 de 1