facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

08 de Novembro de 2022, 17h:30 - A | A

GERAL / ALERTA

Vírus da varíola do macaco está mais 'forte e inteligente', diz pesquisa

Pesquisadores da Universidade do Missouri-Columbia, nos Estados Unidos, identificaram uma série de mutações no patógeno

R7



Um grupo de cientistas da Universidade do Missouri-Columbia, nos Estados Unidos, descobriu recentemente que o vírus monkeypox, causador da varíola do macaco, está "mais forte e inteligente", com uma capacidade maior de evadir-se de tratamentos medicamentosos e da resposta imune gerada pelas vacinas disponíveis. Os resultados do trabalho foram publicados no periódico científico Journal of Autoimmunity.

O aumento na força do vírus se deve, segundo os autores do trabalho, a mutações específicas no vírus que contribuem para uma infecciosidade contínua.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A equipe, conduzida pelo pesquisador Kamlendra Singh, da Escola de Medicina Veterinária da Universidade do Missouri, analisou o DNA de mais de 200 sequências do vírus monkeypox coletadas ao longo de décadas, desde 1965, quando ele começou a se espalhar entre humanos.

"Ao fazermos uma análise temporal, pudemos ver como o vírus evoluiu ao longo do tempo, e uma descoberta importante foi que o vírus agora está acumulando mutações especificamente onde as drogas e os anticorpos das vacinas devem se ligar”, afirma, em comunicado, outro pesquisador que atuou no trabalho.

Segundo ele, ficou demonstrado que "o vírus está ficando mais inteligente, é capaz de evitar ser alvo de drogas ou anticorpos da resposta imune do nosso corpo e continuar se espalhando para mais pessoas".

Parte do trabalho envolveu a análise de cinco proteínas específicas do vírus monkeypox: DNA polimerase, DNA helicase, proteína de ponte A22R, DNA glicosilase e G9R. Elas atuam como uma espécie de "armadura" do agente infeccioso. Leia mais em R7

Comente esta notícia