Cuiabá, 26 de Setembro de 2022
logo

19 de Agosto de 2022, 15h:55 - A | A

GERAL / VARÍOLA DOS MACACOS

MT tem 13 casos confirmados e 25 em análise

Rondonópolis (3), Barra do Garças (2), Campo Verde (1), Porto Esperidião (3), Tangará da Serra (2) e Sinop (2) possuem 14 casos suspeitos da doença. Outro caso em análise é de Araputanga, mas o possível infectado está em Rio Branco (AC).

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



A Secretaria Estadual de Saúde de Mato Grosso (SES-MT) divulgou que o Estado tem, até esta sexta-feira (19), 13 casos confirmados da varíola dos macacos. Mais 25 casos suspeitos estão sob análise da pasta.

A maioria dos casos confirmados está em Cuiabá. São sete casos positivos para a doença na Capital mato-grossenses e outros seis sob investigação. Em Várzea Grande, são três confirmados e quatro suspeitos.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Os outros pacientes infectados estão em Sorriso (1), Nova Xavantina (1) e Tangará da Serra (1).

Leia mais

Capital tem sete casos confirmados de varíola dos macacos

Rondonópolis (3), Barra do Garças (2), Campo Verde (1), Porto Esperidião (3), Tangará da Serra (2) e Sinop (2) possuem 14 casos suspeitos da doença. Outro caso em análise é de Araputanga, mas o possível infectado está em Rio Branco (AC).

Cinco casos da Monkeypox já foram descartados pela Secretaria de Saúde. Eles são de Várzea Grande, Alta Floresta, Sorriso, Nossa Sra. do Livramento e Diamantino.

Transmissão

A principal forma de transmissão da doença é por meio de relação sexual, mas não é a única. Ela ocorre quando uma pessoa entra em contato com o vírus,  podendo ser através do contato com animal doente, materiais ou humanos contaminados. A transmissão entre humanos pode ocorrer por secreções respiratórias (gotículas), através de lesão na pele (mesmo que não seja visível), por meio de objetos recentemente contaminados e por meio de fluidos corporais e secreções das membranas mucosas (olhos, nariz ou boca).

Pessoas que apresentarem sintomas devem procurar atendimento médico e informar se tiveram contato com animal ou humano doente ou material contaminado ou viagem para o exterior no último mês antes do início dos sintomas.

Importante ressaltar que animais sadios não transmitem a doença.

Comente esta notícia