facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

13 de Dezembro de 2022, 07h:30 - A | A

GERAL / BALANÇO DE 2022

Endividamento aumentou e inadimplência diminuiu em Cuiabá; entenda a diferença

74,5% das famílias na capital possui algum tipo de conta a prazo, sendo que 29% deles disseram ter contas em atraso

DO REPÓRTER MT



O número de pessoas endividadas aumentou em Cuiabá no decorrer de 2022, enquanto o número de inadimplentes diminuiu. Isso significa dizer que mais cuiabanos têm contas pendentes a prazo (dívida), enquanto menos pessoas estão inadimplentes (contas atrasadas), ou seja, renegociaram as dívidas e estão com as parcelas em dia.

O levantamento foi divulgado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em parceria com o Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio Mato Grosso (IPF-MT), e mostra um leve aumento no endividamento da população em novembro sobre o mês anterior - 0,27% -, atingindo 74,5% das famílias em Cuiabá. No comparativo com o mesmo mês de 2021, observou-se um aumento de 3,47% no número de famílias endividadas, quando computava 72%.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Já com relação à inadimplência, ou seja, quando o consumidor não consegue honrar suas dívidas, também se observou um recuo tanto na variação mensal, quanto anual na pesquisa, de 0,6 ponto percentual de outubro para novembro (29%) e 3,1 p.p. sobre novembro do ano passado, quando atingia 33,1% das famílias em Cuiabá.

Segundo análise do IPF-MT, os que ganham mais de 10 salários-mínimos ainda são os mais endividados e os que ganham menos de 10 s.m. estão encontrando maiores dificuldades em pagar as contas. O número de endividados com contas em atraso saiu de 66.445 em novembro de 2021 para 59.009 famílias em novembro de 2022, variando -11,19%, o que representa a quitação de dívidas por parte de 7.436 famílias cuiabanas nesse período.

Sobre os principais tipos de dívidas, o cartão de crédito (75,8%) e os carnês (38%) lideram, porém, se mostram em queda na comparação com o mês anterior, com diminuição de 0,79% e 1,30%, respectivamente.

Para o presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, o aumento no consumo a prazo – o que provoca o endividamento – pode estar ligado à boa condição das famílias pagarem as contas. “Desde o início do ano, o índice se mostra em crescimento, uma vez que se observou consecutivas quedas no percentual de famílias com contas em atraso. Tal efeito será benéfico para um aumento no consumo neste fim de ano”.

O Sistema S do Comércio, composto pela Fecomércio, Sesc, Senac e IPF em Mato Grosso, é presidido por José Wenceslau de Souza Júnior. A entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.

Comente esta notícia