Cuiabá, 09 de Dezembro de 2022
logo

30 de Novembro de 2016, 15h:19 - A | A

GERAL / TRAGÉDIA NA COLÔMBIA

Avião deveria ter combustível para mais uma hora de voo

A causa mais provável apontada por diversos especialistas é que o Avro RJ-85 tenham sofrido mesmo uma pane seca.

Do UOL



Para cumprir os regulamentos de tráfego aéreo da Bolívia, o avião que levava o time da Chapecoense deveria ter combustível nos tanques para voar, no mínimo, por mais uma hora.

A regulamentação de aviação civil boliviana prevê que, além do combustível necessário para fazer a rota prevista, aviões a jato tenham uma reserva da mais 5% (no Brasil são 10%) do tempo total de viagem, o necessário para chegar a um aeroporto de alternativa e o suficiente para outros 30 minutos de voo.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Como o voo entre Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia, com o avião Avro RJ-85 dura cerca de 4h45, a reserva de 5% seria equivalente a 14 minutos. Com mais 30 minutos de autonomia exigidos pela legislação, seria necessário um total de 44,5 minutos. Além disso, o cálculo ainda precisaria acrescentar o deslocamento até um aeroporto alternativo para o pouso.

A OACI (Organização de Aviação Civil Internacional) sugere as bases para o regulamento da aviação em todo o mundo. "Há a sugestão, mas cada país pode adotar ou adaptar cada regra da forma que julgar melhor", afirma o diretor da secretaria de segurança de voo do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Mateus Ghisleni.

As regras foram criadas para evitar que um avião fique sem combustível em voo mesmo quando enfrenta problemas climáticos, congestionamento no tráfego aéreo ou quando o aeroporto de destino está fechado.

Ao se aproximar do aeroporto de Medellín, o avião que levava a delegação da Chapecoense teve de aguardar a liberação da pista para iniciar o procedimento de pouso. Com as reservas exigidas nos regulamentos internacionais, no entanto, isso não poderia causar uma pane seca (falta de combustível).

"Não é esse tempinho que causaria uma pane seca. Se o avião estiver dentro do regulamento, tem tempo suficiente para aguardar a autorização de pouso", afirma o comandante aposentado e instrutor do curso de Ciências Aeronáuticas da PUC-RS, Cláudio Scherer.

No entanto, como não há indício de haver qualquer sobra de combustível nos tanques do avião acidentado, a causa mais provável apontada por diversos especialistas é que o Avro RJ-85 tenham sofrido mesmo uma pane seca.

Comente esta notícia