facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 15 de Julho de 2024
15 de Julho de 2024

01 de Outubro de 2020, 10h:30 - A | A

CONEXÃO PODER / VEJA O VÍDEO

Emanuel: Pecha de corrupto não pega em mim; secretários vão provar inocência

Candidato à reeleição, o prefeito de Cuiabá comenta investigações que afastaram secretários.

MÁRCIA MATOS
DA REDAÇÃO



Em entrevista ao Conexão Poder, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), que é candidato à reeleição, destacou que acredita na inocência de dois ex-secretários de sua gestão, afastados por determinação da Justiça e reforçou que tem gestão ‘sem mácula’, portanto a pecha de corrupto ‘não pega’. O programa foi gravado na quarta-feira (30). Já na quinta-feira (1º), o secretário de Saúde, Luiz Possas de Carvalho foi alvo da Operação Overpriced deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) por suspeita de superfaturamento na compra Ivermectina. Ele pediu exoneração do cargo.

Na entrevista ele argumenta que grande parte da situação investigada se deve à gestão passada, quando o governador Mauro Mendes (DEM) era prefeito da Capital.

 “Tem quatro anos que estão tentando pregar essa imagem e não vão conseguir pregar. Não existe corrupção. A nossa gestão é gestão séria, transparente, proba. (...) Agora tem dois secretários Alex Passos Vieira e o procurador geral. Foi na minha gestão, tenho certeza que eles vão provar a inocência deles. Foram  fruto de um caso isolado que também veio da gestão passada, do prefeito que me antecedeu. Foi licitado por eles. Tanto é que  a ex-secretária de educação foi chamada para ser ouvida. Mas cada um que arque com as consequências de seus atos. O que importa é que ninguém foi preso dentro do meu gabinete, ou dentro da minha gestão”, disse ao emendar que não está provocando o governador Mauro Mendes, quanto ao episódio recente da prisão de então secretário-adjunto na Casa Civil.

Os secretários municipais Alex Vieira (Educação) e Marcus Brito (Procuradoria Municipal) foram afastados em junho e setembro, respectivamente, por serem investigados na Operação Overlap, da Polícia Judiciária Civil, que apura suposto esquema para fraudar licitação de R$ 2 milhões na Prefeitura de Cuiabá.

Também foi afastado o ex-secretário Municipal de Saúde, Huark Correa, que chegou a ser preso após deixar a prefeitura, na segunda fase da Operação Sangria.

 Veja o vídeo:

 

Comente esta notícia