Cuiabá, 02 de Julho de 2022
logo

Domingo, 30 de Outubro de 2011, 14h:51 - A | A

PARCERIAS

Prefeito acredita que o caos na saúde está próximo do fim

O prefeito disse que o acordo se deu devido o grande número de pacientes vindos do interior e outros estados vizinhos

MAYARA MICHELS

De acordo com o prefeito de Cuiabá, Chico Galindo (PTB), os problemas de filas e péssimos atendimentos devido o excesso de pacientes irão acabar por causa da parceria firmada com o Estado e Executivo Municipal. Trata-se da administração dos Prontos Socorros da Capital e Várzea, que serão controlados pelo governo estadual via Organização Social da Saúde (OS’s). O valor repassado ao município será destinado à saúde básica, com foco nas policlínicas.


Segundo Galindo, o único repasse que o município continuará fazendo é o pagamento dos funcionários efetivos. O prefeito informou que já foi solicitado o valor atual da folha de pagamento dos servidores ao departamento de Recursos Humanos.  “Os servidores irão continuar trabalhando no hospital, porém, sob a gerência da Organização Social. A diferença é o salário que continuará sendo pago pela Prefeitura”, afirmou.

O prefeito disse que o Pronto Socorro só foi entregue ao Estado devido o grande número de pacientes vindos do interior de Mato Grosso e outros estados vizinhos. “O estado administra o hospital já que ele atende todo o Mato Grosso. E mediante nossos recursos, atenderemos a saúde local e ampliaremos as policlínicas para que os moradores da grande Cuiabá possam ser atendidos sem filas”, justificou.

PRONTOS-SOCORROS

A previsão é de que até janeiro de 2012 as duas OS’s vencedoras da licitação serão publicadas no  Diário Oficial. As empresas irão comandar as duas maiores unidades públicas de atendimentos de urgência e emergência no Estado.

A equipe do JN no Ar, da Rede Globo mostrou na semana passada, as condições precárias em que os usuários do sistema público são submetidos. A equipe de reportagem chegou de surpresa e mostrou pacientes expostos no chão dos corredores do P.S de VG. Após o escândalo, o governo antecipou a decisão e tomou a decisão.

Comente esta notícia