Cuiabá, 02 de Outubro de 2022
logo

17 de Dezembro de 2013, 18h:39 - A | A

CIDADES / ROTA DO VLT

Posto ainda não foi notificado para deixar canteiro da Av. do CPA

O terreno é da Petrobrás e o valor da desapropriação ficou acertado em R$1 milhão

ALINE FRANCISCO
DA REDAÇÃO



Continua o impasse entre a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo de 2014 (Secopa) e o posto de combustível Amazônia Petróleo, localizado no canteiro central da Avenida Historiador Rubens de Mendonça (CPA), em Cuiabá. O empreendimento fica na rota do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Mesmo sendo locatária do terreno, a empresa exige o pagamento do Fundo de Comércio, que é direito das empresas que estão em áreas que foram desapropriadas.

Segundo o advogado do Grupo Amazônia Petróleo, Murilo Silva Freire, mesmo sabendo da necessidade de deixar o espaço, ainda não houve uma notificação formal. “Não fomos notificados, por isso permanecemos até que seja feito um acordo entre a Secopa e a empresa quanto ao pagamento do Fundo de Comércio”, explica.

Murilo destacou que o Grupo está com uma ação na justiça para o pagamento do Fundo de Comércio. “A ação que estamos movendo é para que o juiz determine que o Estado pague o valor correto à Amazônia Petróleo. O Estado não considerou que, além da Petrobrás, há um comércio no local”, afirmou.

O terreno é da Petrobrás e o valor da desapropriação ficou acertado em R$1 milhão.

OUTRO LADO

A Secopa informou que vai se pronunciar por meio de nota sobre o assunto. A Reportagem foi informada que a resposta será encaminhada ainda esta semana.  

Comente esta notícia