Cuiabá, 30 de Junho de 2022
logo

Sábado, 22 de Outubro de 2011, 09h:41 - A | A

EDUCAÇÃO

Pais ficam 15 dias na fila para garantir filhos em creches do estado

Matrículas começam no dia 4 de novembro e o tumulto é constante na porta das escolas

FERNANDA LEITE

Para garantir uma vaga aos filhos nas creches estaduais, os pais tem feito vigília com barracas em frente das inidades. No total são 90 vagas oferecidas pelas creches Nasla Joaquim Aschar e Maria Eunice Duarte de Barros. Elas estão localizadas no Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá. Os pais estão acampados desde a manhã de quinta-feira (20) em frente das escolas. As matrículas começam somente no dia 4 de novembro.

O servidor público Abel Domingos – pai de uma criança de dois anos, disse que tem revezado com sua esposa e alguns familiares a sua permanência na fila. Ele contou que a qualidade do ensino e as condições de segurança e infraestrutura da creche foram às razões pelo qual disputasse com outras famílias uma das vagas oferecidas. Ele está desde a manhã de quinta-feira no local.

Para a comerciante Maria Carmem da Silva, a situação econômica foi um fator decisivo na tomada de decisão e ir acampar no local. Segundo ela, o preço médio de uma creche na região onde reside varia em torno de R$ 350 reais ao mês. “O valor pago de uma mensalidade ao mês acaba que comprometendo o orçamento mensal da família”, disse ela.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), por medo de não conseguirem matricular seus filhos os pais tomam esse tipo de decisão radical. Segundo informações, o caso está trazendo problemas para o tráfego de veículos na região do CPA.

A Seduc informou que provavelmente irá regularizar a situação por meio de senhas que serão distribuídas no dia das inscrições. A portaria para o início das matrículas foi publicada no último dia 14 e desde então as pessoas se encontram no local.

O Ministério Público Estadual (MPE) já foi acionado para tratar da "fila antecipada”. O promotor que cuida do assunto Miguel Slhessarenko foi procurado, mas a assessoria do MP informou ele está em férias e quem assumiu o caso foi o promotor Alexandre Guedes que ainda estuda o caso.

Atualmente são 73 famílias acampadas na creche Maria Eunice Duarte de Barros, localizada no Centro Político. A escola oferece apenas 45 vagas. A grande maioria dos pais são servidores públicos.

VAGAS

A Seduc informou que a creche foi criada com finalidade de atender servidores públicos do estado. Porém, a Constituição proíbe que haja discriminação de outras pessoas que queiram concorrer a uma vaga em ambas as creches. Devido a isso, qualquer cidadão pode procurar as instituições para ter acesso às vagas.

Comente esta notícia