Cuiabá, 30 de Junho de 2022
logo

Domingo, 06 de Novembro de 2011, 09h:23 - A | A

4º LUGAR

Cesta básica em Cuiabá é uma das mais caras do país

Um trabalhador adulto desembolsa R$ 254,45 para comprar itens alimentícios considerados essenciais

INARA FONSECA

Primeiro, a boa notícia: de acordo com dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) houve queda no preço dos alimentos em Cuiabá, no último mês. Agora, a dura realidade: apesar da redução, a Capital continua entre as que possuem a cesta básica mais cara em todo o Brasil, aparecendo em 4º lugar no ranking. Desde janeiro de 2011, Cuiabá mantem essa posição.

Comparada com setembro, a cesta básica caiu 1,04%. Se no mês passado um trabalhador adulto desembolsou R$ 257,13 para comprar itens alimentícios considerados essenciais, em outubro o valor foi de R$ 254,45. Apesar de pequena, a variação pode fazer diferença no bolso do consumidor.

"Da para sentir a diferença sim, principalmente com a carne estando pela hora da morte. Gastando menos com a cesta sobra um pouco pra comprar outros alimentos", afirmou a dona de casa Rosa Maria.

A queda mensal foi motivada, principalmente, pela diminuição no preço do açúcar, leite e manteiga. Os produtos podiam ser encontrados nas prateleiras até 9,42%, 7,6% e 7,36% mais baratos, respectivamente. Além dos três, outros quatros itens da cesta básica tiveram baixa no preço. Já a batata, o café e o arroz sofreram alta de 16,05%, 9,24% e 4,01%, respectivamente.

O aumento nos produtos deve-se, principalmente, ao plantio da safra 2011/2012 que só começou em setembro. Até que a colheita seja realizada os mercados serão abastecidos apenas com estoque. No caso do arroz, as indústrias estão pagando entre 10% e 15% mais caro pela saca, 50 kg, de arroz em casca. O valor é repassado para o consumidor.

Segundo estatísticas da KGM Comunicações, responsável pela apuração dos dados sobre a cesta básica cuiabana, a alta acumulada na Capital nos últimos 13 meses, entre outubro de 2010 e outubro de 2011, foi de 8,79%.

Em todo Brasil, das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese, dez tiveram aumento na cesta básica. A maior elevação ocorreu em Porto Alegre, na capital gaúcha o valor da cesta chegou a R$ 277,34, um aumento de 1,93%.

Comente esta notícia