Cuiabá, 06 de Dezembro de 2022
logo

24 de Dezembro de 2016, 07h:55 - A | A

VARIEDADES / POPULAR NA CEIA DE NATAL

Você já viu um chester vivo? Empresa 'esconde' bicho e dá margem a mitos

De acordo com a Perdigão, foram feitos vários cruzamentos entre frangos com características específicas até se chegar a uma linhagem maior

UOL



Ele é muito popular na ceia de Natal dos brasileiros, mas pouco se sabe sobre sua origem e sua vida antes de chegar até a mesa. O Chester® é uma marca registrada de frango (por isso esse "R" ao lado do nome).

Ele é vendido desde 1983 pela Perdigão e foi lançado para disputar mercado com o peru da Sadia. Na época, as duas empresas eram concorrentes; hoje, ambas pertencem à BRF.

>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

Perdigão e BRF, porém, não divulgam imagens do chester vivo, e as informações "oficiais" disponíveis sobre ele são restritas. 

"A ave especial da Perdigão resulta do cruzamento das melhores linhagens de frango existentes no mercado. Graças a esse trabalho, a ave que conhecemos hoje se diferencia das demais por oferecer mais peito, ou seja, a parte nobre da ave", informou a empresa, por meio da assessoria de imprensa.

Questionada sobre fotos, afirmou: "(...) não dispomos de imagens desta ave em granja e/ou linha de produção". Pesquisando na internet é possível encontrar algumas imagens identificadas como chester, mas não é possível verificar sua veracidade.

Afinal, chester é um bicho?

Chester é um animal, mas não é uma espécie diferente de ave, como o peru ou o avestruz, por exemplo. É a mesma espécie que o frango convencional.

Segundo Elsio Figueiredo, pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), é como o cachorro: existe o poodle e o pastor alemão; eles são diferentes, mas ambos são cães, da mesma espécie.

De acordo com a Perdigão, foram feitos vários cruzamentos entre frangos com características específicas até se chegar a uma linhagem maior, com mais peito, a parte mais nobre da ave. O bicho tem 70% da carne concentrada no peito e nas coxas, segundo a fabricante.

Seu nome vem de "chest", que significa peito em inglês. 

É transgênico?

O primeiro "frangão" foi importado dos EUA pela Perdigão em 1979 e, um ano depois, deu origem ao chester por meio de melhoramento genético. O uso dessa técnica é muito comum na indústria de alimentos, segundo Figueiredo.

O melhoramento genético é empregado pelo homem há mais de 10 mil anos, desde o início da agricultura, e funciona da seguinte forma: são selecionados para cruzamento os animais ou plantas com as características desejadas --por exemplo, maior resistência a doenças, maior produção de carne etc..

A ideia é transmitir essas qualidades aos descendentes, criando uma "versão melhorada" da mesma espécie. Por exemplo, plantas mais resistentes à seca, vacas que produzem mais leite ou... frangos com mais peito. 

No melhoramento, a mudança acontece por meio do cruzamento entre membros da mesma espécie ou de espécies compatíveis. É diferente do transgênico, quando a modificação no código genético precisa ser feita por meio de intervenção em laboratório.

É cheio de hormônios?

De acordo com o pesquisador da Embrapa, não são usados hormônios para crescimento do chester nem das outras aves que consumimos. Primeiramente, porque o uso é proibido por lei no Brasil desde 2004.

Além disso, segundo ele, "não tem sentido", porque os animais são abatidos antes do tempo necessário para que as substâncias comecem a fazer efeito. Também tornaria a criação muito cara e não compensaria. 

Segundo a Perdigão, a alimentação do chester é 100% natural, baseada em milho e soja, sem "adição de qualquer tipo de medicamento, antibiótico ou hormônio anabolizante para aumentar o seu crescimento e desenvolvimento".

Os animais sofrem ?

Um mito comum a respeito do chester é que, por ter o peito muito grande, o animal sofre durante a vida e não consegue nem andar.

Elsio Figueiredo afirma que o cruzamento de diferentes tipos de frango pode, sim, gerar anomalias e levar ao sofrimento do animal. Porém, segundo ele, os próprios produtores teriam interesse em evitar isso: um animal que não consegue andar direito tende a comer e beber pouca água, prejudicando seu crescimento e desenvolvimento, o que causaria prejuízo.

Concorrentes do frango

Outras marcas brasileiras vendem equivalentes ao Chester com outros nomes, normalmente chamados de aves natalinas ou frango especial. É o caso do Fiesta, da Seara, e do Supreme, da Sadia.

Comente esta notícia